O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


A vida dos moradores de rua de SP

Sgt. Kowalski

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
44.287
Reações
94.670
Pontos
989
A vida dos moradores de rua de SP

No centro de São Paulo, a Praça Manoel da Nóbrega - ao lado do Pátio do Colégio, um cartão-postal da cidade de São Paulo - abriga desde o ano passado a família da faxineira Marcela, de 34 anos. Com dois filhos, um menino de 3 anos e uma bebê de 1 ano, Marcela passa o dia ao relento numa área que atrai turistas e concentra a Secretaria Estadual da Justiça e o Tribunal de Justiça de São Paulo. Próximo ao centro, Bárbara, de 22 anos, outra mãe moradora de rua desde dezembro, cria a filha de 8 meses numa barraca de camping, sob uma marquise. As duas mães são parte de um contingente de famílias desassistidas que cresceu nas ruas de São Paulo em quatro anos. Em 2015, segundo dados da prefeitura, eram 505 crianças e adolescentes nas ruas da capital. Agora, são 664, um aumento de 31%.
Levantamento feito na capital pela empresa Qualitest a pedido da Prefeitura mostra um crescimento de 60% dos moradores de rua na cidade em quatro anos - de 15 mil, em 2015, para 24 mil, em 2019. Uma segunda fase da pesquisa sobre essa população, com foco na presença das famílias nas ruas, será finalizada em maio, mas dados iniciais apontam para um fato notado pelos paulistanos ao circular pela cidade, seja em grandes avenidas ou em vias menores, dentro dos bairros.
Consultados sobre a presença de parentes na rua, pelo menos 3.634 pessoas - um terço dos 11.693 entrevistados em abrigos - confirmam ter familiares com eles nessa condição de moradia precária, como as duas mães que aceitaram falar com o Estado.



Nova moradora

“Às vezes, a gente dorme no albergue; às vezes, dorme aqui mesmo na calçada, com o meu companheiro”, contou Marcela, que vive com o desabrigado Rogério e tem filhos de outro casamento. Ao lado dos dois menores, Marcela contou na quarta-feira da semana passada, 5, que os primeiros filhos moram no litoral, “em Peruíbe”, com a família do ex-marido. Ela relatou que vivia na favela do Cimento, na Avenida Radial Leste, incendiada em março do ano passado. Cuidava da mãe, cadeirante. “Sempre morei em favela.”
Depois que a mãe morreu, sem ter onde ficar, Marcela foi para a rua e passou a viver na região central, conhecida por catadores de papel e outros moradores de barracos de lona que se acomodam à noite pelo centro, a quadras dali, na área do Largo São Francisco.



Marcela recebe doações de pessoas que trabalham na área central ou circulam pelo comércio e se compadecem com a cena de abandono. A insegurança e o medo são companhias constantes da faxineira, que está desempregada. Durante o dia, reúne seus poucos pertences e os protege com uma lona para poder se mover na área com agilidade. “A gente mantém tudo enrolado na lona porque quando passa o 'rapa' é mais difícil correr carregando as coisas”, explicou Marcela, aguardando o companheiro, pai das duas crianças com quem vive. Àquela hora, Rogério tentava garantir o almoço da família na área da Sé.
Com o menino brincando com os cachorros de uma outra mulher que mora em uma barraca ao lado, Marcela contou que gostaria de trabalhar para tirar os filhos daquele ambiente. “O Conselho Tutelar já tentou tirar eles de mim”, contou. “A gente poderia ir cuidar de um sítio, como caseiros”, imagina. “Eu já tive problema de coração, minha mãe morreu disso. Eu cuidava dela quando a gente morava na favela que queimou.”



Natal

A crítica situação de Marcela é semelhante à de Bárbara, que acaba de passar seu primeiro Natal como mãe de rua. Ela mora numa calçada de um bairro perto do centro desde 1º de dezembro. Com a bebê Laura, de 8 meses, dormindo em uma barraca, Bárbara pede que o local exato não seja divulgado. Ela teme perder a menina. Na noite de quinta-feira, acompanhada por um amigo, um baiano que também está há cinco anos perambulando, a jovem abriu a porta da pequena barraca que habita para contar sua trajetória.
“Saí de casa por problemas familiares e estou na rua tem dois meses”, explicou. A moradora de rua diz não ter qualquer ajuda de serviços oficiais da Prefeitura, conta que tem medo, que está vulnerável a todo tipo de ataques, mas não vê outra saída. Ela lembra que já recebeu visitas de agentes sociais, que ela chama de “as meninas da Saúde”.
Bárbara, na verdade, conhece bem a dureza da vida sob as marquises. Ela própria foi abandonada na infância e criou-se em abrigo de menores, onde viveu por seis anos. “A vida lá não é fácil, não”, afirmou. Para cuidar de Laura na rua, conta com a ajuda de uma tia, que igualmente moradora de rua.



Os poucos objetos que Bárbara acumula são uma barraca de camping, onde dorme com a nenê num colchão, um balde com cueiros, roupinhas e fraldas da menina e um carrinho de bebê, que à noite fica encostado na parede de um prédio de esquina, sob o alcance do olhar dela. Mãe de primeira viagem, Bárbara disse que já entrou no programa Bolsa Família, mas acredita que verá o dinheiro somente em “três meses”. Até lá, vai sobrevivendo na calçada, confiando na solidariedade dos moradores e comerciantes da região que lhe oferecem fraldas e roupas para Laura. E comida.

Especialista diz que causas são diversas

Acompanhando o drama de pessoas que vivem na rua por quase três décadas, o advogado Ariel de Castro Alves, do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe), explicou que há múltiplas razões para o atual aumento observado na presença de crianças e adolescentes nas ruas em São Paulo. O especialista em direitos da criança e do adolescente alerta que o problema dos moradores de rua na capital vem “desde os anos 60”, mas que está em franco crescimento. Para o conselheiro do Condepe, as causas são várias: as famílias sofrem com falta de moradia, perda de renda, desemprego, uso de drogas e violência doméstica, além da ausência de um sistema público de abrigos “que proteja as crianças e adolescentes adequadamente”. “Criança assim é uma situação dramática, uma tragédia”, afirmou. “São tratadas com desdém, sofrem traumas e ficam com sequelas”, lamentou.

O que diz a Prefeitura

Segundo dados da Prefeitura, São Paulo tem 131 locais para o chamado Serviços de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (Saica), com mais de 2,3 mil vagas. A Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social conta com outros 799 serviços para crianças e adolescentes em situação vulnerável e soma mais de 95 mil vagas no sistema, em parcerias com organizações da sociedade civil que atuam na assistência social.
Depois que a Qualitest apresentou os dados do censo 2019 da população de rua, mostrando o aumento em relação a 2015, quando o estudo foi feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o município “anunciou um pacote de medidas que contemplam ações integradas entre diversas áreas: Assistência Social, Direitos Humanos, Saúde, Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Subprefeituras, Habitação, Educação, Cultura”.
Segundo a Prefeitura, a intenção é realizar ações para “garantir o acesso de crianças, adolescentes e adultos em situação de rua” à rede de ensino e também para mantê-las na escola. O projeto também prevê “a garantia, a qualquer tempo, de matrícula e transferência de crianças e adolescentes em situação de rua, para ampliar oportunidades de acesso à educação básica.”
De acordo com técnicos da Prefeitura, 260 conselheiros tutelares recém-eleitos receberam capacitação, no mês passado, para que possam atuar com a secretaria no acolhimento de crianças em situação de rua e em casos de exploração do trabalho infantil. Também será criado um Núcleo de Atenção Integral a Crianças e Adolescentes em situação de rua.

Uma 'cidade' de pessoas mora nas ruas

A população que vive nas ruas na capital paulista hoje é maior do que o número de habitantes de 4.109 municípios brasileiros. Comparados com os dados do censo populacional de 2010 (base do IBGE), os números apontados pela empresa Qualitest mostram que há mais gente morando nas ruas em São Paulo - 24 mil, segundo dados oficiais - do que habitantes de 4.109 municípios brasileiros. Gente que trabalha com essa população carente há mais tempo, no entanto, diz que os números divulgados pela prefeitura estão subestimados.
A seguir estão histórias de pessoas que por diferentes motivos, em diferentes momentos da vida, foram parar na rua:

Catador que tem TV e parabólica vive na rua há 29 anos



A população de rua é composta também por pessoas que estão há décadas em situação de altíssima vulnerabilidade social.
Nascido no Rio Grande do Norte, Rodrigo de Souza Lucena, de 34 anos, fugiu de casa quando tinha 5 anos e há 29 mora na rua. Dorme sob a marquise de um prédio na Praça Patriarca, onde convive com barraqueiros e catadores de papel que se acomodam no centro. Mas não reclama.
“Essa aqui chegou do Sul tem uma semana”, contou o rapaz, mostrando uma mulher calada, acomodada sobre caixas de papelão, preocupada com a demora do entregador de pizzas. Rodrigo, que é separado e tem uma filha de 11 anos, contou que a nova moradora de rua de São Paulo não gosta de falar sobre sua condição de rua.
“A gente ajuda como pode, ela trabalha comigo e recebe uma ajuda”, explicou o catador, conhecido na rua pelo hábito de conservar uma antena parabólica junto da carroça e pela qual sintoniza canais de TV na barraca. “Não é gato, não”, afirma. “Eu pago a assinatura”, contou o homem, que se diz analfabeto que tem celular e está presente em pelo menos três redes sociais: Facebook, Twitter e Instagram.
“Nós tivemos uma reunião para discutir com a Prefeitura um plantão durante o carnaval”, afirmou ele, que acredita que consegue viver bem com seu trabalho. “Eu poderia até pagar aluguel, mas não quero. Prefiro a liberdade da rua”, pondera. Integrante do grupo do Cataki, organização de catadores que recolhe materiais descartados por lojas e moradores do centro, é quase uma celebridade da rua. No cartão de visitas, que entrega com desenvoltura de empreendedor, está escrito, sobre o número do celular: “Baixe o app Cataki, catador com orgulho”.

Migrante de Goiânia mora na Barra Funda



Assentada por um programa de habitação no Residencial Real Conquista, Rua RC, 14, Q 33, lote 34, em Goiânia, Maria Helena Ferreira de Brito, de 57 anos, 5 filhos, separada do marido, viu na casa de dois quartos, sala e cozinha, recebida em 2007, como solução para sua luta pessoal por moradia. Afinal, o Real Conquista, como diz o nome, tornara realidade, em 30 de julho de 2007, o sonho da casa própria acalentado por ela desde 2004. “Uma vitória da luta de pelo menos três anos embaixo de lona”, diz Maria Helena.
E tudo com o aval de gente grande na política, como o então prefeito Iris Rezende, o então ministro Márcio Fortes, e o então governador de Goiás Alcides Rodrigues, mais deputados federais e vereadores, todos na lista de presentes na entrega das 300 casas populares no módulo 2, preparado pela Agência Goiana de Habitação, repassadas às famílias do Movimento Luta e Moradia. Os papéis com as poucas referências que ainda restam a Maria Helena estão guardados num saquinho plástico transparente, junto com carnês do Banco do Brasil de pagamentos de contas registradas no endereço de Goiânia, que ela mantém entre o que restou de seus pertences em São Paulo.
Dona Maria Helena conta que desde o ano passado teve de abandonar a casa, na capital goiana, por sentir-se ameaçada, e que em agosto chegou a São Paulo de ônibus para viver na rua, sozinha.
Documentos do Ministério Público Federal registram um pouco da saga de Maria Helena ao descreverem a desocupação violenta da área do Parque Oeste, em 2005.



“No dia 16 de fevereiro de 2005, Goiânia, capital do Estado de Goiás, foi palco de uma das maiores operações de desocupação de área urbana já realizadas no País. À área invadida, conhecida como Parque Oeste Industrial, foram mobilizados pela Secretaria de Segurança Pública, 1.863 homens, numa operação denominada Operação Triunfo, tendo como resultado 2 mortes, 14 feridos (com um lesado medular), 800 presos, e inúmeros desabrigados, sendo 934 famílias alojadas em dois ginásios de esportes, nos bairros do Capuava e do Novo Horizonte”, resume o documento do MP.
Até duas semanas atrás, dona Maria Helena estava acampada sob um viaduto do Pacaembu, no bairro Barra Funda, quando outra vez foi desalojada. Um relatório de 2008 feito por uma assistente social de Goiânia, que ela carrega com cuidado e faz questão de mostrar, constata que naquela cidade ela vivia “em situação precária (…) necessitando melhorar as condições sócio-econômicas”.
Desde 2015, Maria Helena é beneficiária da Previdência. “O que recebo não dá para pagar um aluguel”, reclama. “Em 2014, o Bolsa Família foi cortado”, emenda. ”Não quero abrigo nem albergue, quero minha casa de volta”, afirmou. “Não sou bandida”, protesta!
Corte do governo federal. Em janeiro, o governo anunciou o corte de 1,3 milhão de benefícios do Bolsa Família, alegando a necessidade de revisão no pagamento. “A metade mais pobre do Cadastro Único, que hoje está em 13,2 milhões, é o público do Bolsa Família. Então, nós fazemos averiguações periódicas, batemos os números, conferimos se essas pessoas realmente não estão tendo uma outra renda, não estão declarando. E, quando a gente bate uma informação que não fecha com a nossa, nós suspendemos o benefício”, disse o então ministro Osmar Terra, segundo material divulgado pela pasta. De acordo com o Ministério da Cidadania, a ação no Cadastro Único permitiu uma economia de R$ 1,4 bilhão.

'Tattoo' da Rua Augusta vive embaixo de viaduto na Barra Funda



Ex-dona de uma loja de tatuagens na Rua Augusta que já não existe mais, Daniele Aparecida Dalcheco, de 38 anos, perambulou por Campinas e Americana, viveu numa comunidade alternativa por seis anos e teve três filhos. As crianças hoje vivem com uma avó. Natural de Piedade, interior paulista, ela foi criada na capital, no bairro Pirituba.
Há quatro meses dormindo na rua no Viaduto Antártica, Daniele conheceu Rafael Rodrigues Vieira, de 26 anos, também morador de rua. Passaram a viver juntos desde o dia em que Rafael, a pedido dela, cortou barba e cabelo. “Tem uns 15 dias que estamos sem bebida, nos cuidando para recomeçar a vida juntos. Queremos trabalhar para vivermos juntos”, contou Rafael, ao lado da mulher. “Vamos recomeçar, um ajudando o outro”, emendou Daniele. “Cada dia sem bebida é uma vitória”, disse.

Ex-cozinheiro vira marceneiro e vive na calçada no Campo Belo



Para Luiz Gonzaga de Jesus, de 64 anos, a situação de rua não é novidade. Ele vive assim desde 2000. Paulistano, o ex-cozinheiro lembra que trabalhou com eventos em hotéis famosos na empresa de bufê de festas. Atualmente, recolhe madeiras para reciclar e construir bancos e mesinhas na Rua Lavariz, uma travessa da Avenida Bandeirantes, perto do Aeroporto de Congonhas.
“Nasci e fui registrado em Moema”. explica. Ele tem dois filhos em São Paulo, mas estão desempregados. Conhecido nos arredores como Patrick, ocupa um cômodo que construiu sobre uma calçada usando caixas de isopor cheias de pedras, ao lado de um posto de gasolina. “Ele é tranquilo”, conta um dos funcionários do posto. “Fabrica e vende os banquinhos dele ali, sem problemas”, relata o funcionário do posto. Patrick conta que recicla madeiras e vende os bancos cobrando “pela mão-de-obra”.

Pessoas envolvidas com a questão da população de rua questionam os dados da Prefeitura

De acordo com dados oficiais, número de pessoas que vive nas ruas da cidade de São Paulo saltou de 15 mil para 24 mil no período de 2015 a 2019. Para pessoas que trabalham com a questão da população de rua, o número está subdimensionado.
O presidente do Movimento Nacional de População de Rua, Edvaldo Gonçalves de Souza, cita que o Cadastro Único (CadÚnico), do Ministério da Cidadania, registra quase 33 mil pessoas morando nas ruas em São Paulo.
A mesma impressão têm também especialistas em assistência social que todo dia percorrem a região central e encontram pelas ruas dezenas de pessoas na precária condição de abandono. Andando pelo centro da cidade na semana passada, um assistente social, que pediu anonimato, contou que “é visível o aumento da presença de pessoas” desassistidas nas ruas. “Eu encontro pelo menos uns 20 novos casos por dia para encaminhamento, inclusive famílias”, contou.
Na instituição franciscana Chá do Padre, que oferece espaço de apoio aos moradores de rua, localizado na Rua Riachuelo, atrás da Faculdade de Direito São Francisco, da Universidade de São Paulo (USP), a poucas quadras da Prefeitura, são servidos diariamente pelo menos 300 almoços e outro tanto de lanches à tarde para quem se alista para receber uma pulseira de identidade. “Servimos em todos os dias da semana”, contou Rafael Borges, orientador social que distribui as senhas para a comida e para os cem banhos permitidos no local. Era uma dessas senhas de alimentação que, horas antes, o companheiro de Marcela, a mãe com dois filhos que vive ao lado do Pátio do Colégio, tentava conseguir para levar marmita para a família da Praça Manoel da Nóbrega.
 


mendingo_26

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
16.279
Reações
57.975
Pontos
554
Achando que já tinham invocado o representante do fórum que pode dar um parecer melhor sobre isso:

@mendingo_26


Esse daqui é meu camarada, a gente joga Nintendo Switch na TV dele, uma vez a gente fez uma aposta com outros mendingos que estavam jogando Mario Kart, quem perdesse iria fumar uma caixa do Xone no lugar do crack, resultado? perdi a aposta e fumei a caixa e no final todo mundo ficou chapado, teve um cara que tava se chamando de Phill Spencer, esse dia foi mó louco
 

Extrusor

Veterano
Mensagens
376
Reações
693
Pontos
103
Caramba, nem li a matéria toda, a realidade de quem vive na rua é cruel, as vezes passo na rua e vejo algum morador de rua e fico tentando imaginar a história dele, tem MUITA gente q tinha vida estabilizada, família, filhos, estudo e etc, aí devido aos mais variados motivos a vida dessas pessoas é demolida, e pensar que podia (pode) ser um de nós a passar por isso em algum momento da vida é foda.:ksnif
 


Baralho

Bam-bam-bam
Mensagens
4.038
Reações
11.637
Pontos
303
Se fosse factível, sem as ameaças do Estado e judiciário, contratar a maioria desse contingente pra sub-empregos, ganhando pouco, tipo meio-salário mínimo por exemplo... Pode ser que se iniciasse, pra muitos, um ciclo virtuoso.

Mas Brasil é isso, a classe política precisa ter um exército de reserva para confiar em políticas assistencialistas a cada biênio.
 

Renan c.

Ser evoluído
Mensagens
137
Reações
147
Pontos
43


Esse daqui é meu camarada, a gente joga Nintendo Switch na TV dele, uma vez a gente fez uma aposta com outros mendingos que estavam jogando Mario Kart, quem perdesse iria fumar uma caixa do Xone no lugar do crack, resultado? perdi a aposta e fumei a caixa e no final todo mundo ficou chapado, teve um cara que tava se chamando de Phill Spencer, esse dia foi mó louco
eu tava lá, eu era a TV.
 

maquinarama

Bam-bam-bam
Mensagens
5.207
Reações
11.014
Pontos
374
Sp já foi a terra da oportunidade, os empregos de baixa escolaridade migraram para os outros estados.
Está um problema cronico no país de empregos para baixa escolaridade, só surgem essas vagas se a economia estiver em Ritmo de Pib Chines.

Realmente triste para essas pessoas e sem perspectiva de melhora nos próximos anos.
 

Marauder

Bam-bam-bam
Mensagens
2.606
Reações
2.827
Pontos
334
Situação que vai piorar cada vez mais...
Moro em uma cidade do interior de SP, lembro que eu até me compadecia quando ocasionalmente via essas pessoas mendigando pelo centro da cidade, e até ajudava.... isso a 10 anos atrás. Mas a coisa tomou uma proporção tão grande, que é muita gente te parando e pedindo ajuda, tanta sujeira e entulho amontoado nas praças e fachadas, que agora só me causa aversão mesmo.
Infelizmente não vejo solução possível para esse problema, sem mudar a atual constituição e sem ofender significativa parcela da população brasileira de hoje
 

Demétrio

Bam-bam-bam
Mensagens
4.305
Reações
5.460
Pontos
359
lembro de uma vez que aquele programa "A Liga" fez uma matéria com moradores de rua, um deles havia acabado de perder a casa. Um dia foram na fila de um albergue e o cara viu a reportagem e saiu correndo e se escondeu. Depois voltou e contou que estava com vergonha da própria situação. Deve ser muito difícil isso.




Estava assistindo um doc sobre moradores de rua em SP, e como viver na rua, sob intenso medo de te roubarem o pouco que tem, ou ser espancado, ou até morto por algum outro morador de rua em delírio, fora a constante incerteza sobre o futuro, causa um dano psicológico grave em um prazo não tão longo. Então, ou a pessoa vai para as drogas, ou tem um surto e não volta mais.
 
Ultima Edição:

Bruwns

Veterano
Mensagens
189
Reações
556
Pontos
103
Estava assistindo um doc sobre moradores de rua em SP, e como viver na rua, sob intenso medo de te roubarem o pouco que tem, ou ser espancado, ou até morto por algum outro morador de rua em delírio, fora a constante incerteza sobre o futuro, causa um dano psicológico grave em um prazo não tão longo.
Nossa que curioso, essa é a rotina de muita gente que tem teto e trabalha todo dia, inclusive se você entrevistar algum trabalhador no RJ aposto que a resposta é a mesma.
 

Snorlax Junior

Bam-bam-bam
Mensagens
2.801
Reações
6.998
Pontos
303
Acho também que o foco no abrigo deve ser qualificar e reinserir a pessoa de forma digna na sociedade, até para quem for ajudado dar vez para que outros sejam ajudados, acho que todo programa social deve ser assim ajudar mas encaminhar para a pessoa andar com as próprias pernas e dar espaço à outros
 

Bloodberry

Ilusão e Teatralidade
VIP
Mensagens
12.271
Reações
25.772
Pontos
594
Em SP é terrível a situação, "terra das oportunidades" que acumula cada vez mais pessoas. Dá aperto no coração quando dá uma volta lá no centro.
Pior que eu tô voltando lá nessa esperança, de ter oportunidade.
Minha família me condena por ser retirante, mas aqui na Bahia não tem nada pra mim.

Eu já vi muita gente assim, morando na rua, na época que morei em SP, é muito triste e eu rezo pra que nunca seja minha realidade.
 

soap

Bam-bam-bam
Mensagens
8.954
Reações
15.054
Pontos
344
Bom tópico da realidade do nosso Brasil, só q isso é uma bola de neve, há cegos q não querem enxergar esse problema e há os q enxergam mas colocam a sujeira embaixo do tapete, ninguém responsabiliza e só nos resta ficar com o coração partido.
 

Takeji Yakabi

Bam-bam-bam
Mensagens
2.919
Reações
1.314
Pontos
279
Se fosse factível, sem as ameaças do Estado e judiciário, contratar a maioria desse contingente pra sub-empregos, ganhando pouco, tipo meio-salário mínimo por exemplo... Pode ser que se iniciasse, pra muitos, um ciclo virtuoso.

Mas Brasil é isso, a classe política precisa ter um exército de reserva para confiar em políticas assistencialistas a cada biênio.
Rapaz, falar isso aqui no brasil é praticamente um palavrão...isso não só resolveria a situação dos moradores de rua como da maioria da população desempregada.
 

Ryo_Sakazaki

Bam-bam-bam
Mensagens
4.970
Reações
8.878
Pontos
304
Vida em SP é dura pra caramba. Não no sentido do trabalho ser pesado mas mentalmente é um lugar terrível pra ser viver.
Você encara transito, ônibus/trem/metro superlotados praticamente todos os dias. Tem alto risco de ser assaltado dependendo de onde vive ou trabalha. Custo de vida é caro, qualidade de vida é horrível se você não é rico. Essa galera que vive nas ruas provavelmente não vai mais voltar a ter uma vida digna aqui pois ninguém se interessa em ajudar essas pessoas aqui.
 

Takeji Yakabi

Bam-bam-bam
Mensagens
2.919
Reações
1.314
Pontos
279
Pior que eu tô voltando lá nessa esperança, de ter oportunidade.
Minha família me condena por ser retirante, mas aqui na Bahia não tem nada pra mim.

Eu já vi muita gente assim, morando na rua, na época que morei em SP, é muito triste e eu rezo pra que nunca seja minha realidade.
Se vc é mão de obra especializada dependendo da área falta gente pra tabalhar, agora se for fazer trabalho de peão aí falta emprego.
 

matroska

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
12.776
Reações
13.358
Pontos
674
Não ter onde morar é o fim da dignidade. Uma pessoa da reportagem fugiu de casa com CINCO anos, e desde então, nunca deixou a rua. Uma vida perdida.

Com cinco anos, eu não sei nem se me entendia como gente ainda.

Esse caso é tenso demais.

Com 05 anos não tinha noção nenhuma das coisas.

O cara esta nas ruas a quase 30 anos mesmo tendo 34 anos put* que pariu
 

Askeladd

Supra-sumo
Mensagens
532
Reações
1.056
Pontos
168
Está um problema cronico no país de empregos para baixa escolaridade, só surgem essas vagas se a economia estiver em Ritmo de Pib Chines.

Realmente triste para essas pessoas e sem perspectiva de melhora nos próximos anos.
Ficou caro demais mão de obra não qualificada. Salário mínimo de R$ 1039,00 deve sair por volta de R$ 2200,00 por mês ou R$ 91,00 o dia trabalhado.
E se forem demitido vão no sindicato e vão falar que não ganhavam o piso da categoria.
Fora a burocracia para contratar exame médico, sindicato e o escambau. Logo se o cara fica uma semana é só for de cabeça.

Na terra da oportunidade é igual os EUA com os imigrantes ilegais.Te pago R$ 10,00 por hora e se você ou o patrão não gostar só picar a mula e seguir a vida. Se o funcionário reclamar vai ser deportado.
 

geist

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
10.748
Reações
37.668
Pontos
553
Infelizmente me tornei indiferente. Trabalho no centro e me acostumei com esse pessoal. Muita sujeira, muito fedor, muita briga, uso de drogas, assédio por dinheiro, prostituição, etc. Tem calçada que tem que ficar desviando dos monte de bosta humana e urina.
Eu acho errado deixar crianças e idosos nesse ambiente.
 
Topo