O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


Eduardo Bolsonaro defende que o Brasil tenha armas nucleares



sebastiao coelho neto

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
11.772
Reações
24.245
Pontos
639
Garantir a paz em que sentido? até onde sei não estamos em guerra. Sem falar que isso provavelmente iria provocar uma corrida nuclear na AL e, como sabemos, nossos maiores desafetos na região iriam jogar sujo, comprando tecnologia no mercado negro. só iria aumentar mais ainda a instabilidade. Por fim, pra cada Paquistão que tem armas nucleares para "manter a paz" dá pra citar uns 10 sem armas, com uma economia muito maior e igualmente pacíficos.
 

TE DIBREI;

Bam-bam-bam
Mensagens
1.336
Reações
4.865
Pontos
303
eu tenho medo de energia nuclear, quando lembro de Chernobyl e Fukushima, não dá vontade nenhuma de ter isso.
Chernobyl foi um desastre que aconteceu por simples prazer do cara em testar o reator. Fez merda.

Fukushima só aconteceu por um desastre natural sequenciado, primeiro o terremoto e posterior o tsunami. Coisa que não estamos à mercê, nem de um nem de outro.

A dúvida fica na qualidade do serviço prestado, como já disseram anteriormente, se não for pra ser por uma empresa privada tocar o negócio nem faz.
 


Ataru

Bam-bam-bam
Mensagens
3.337
Reações
13.791
Pontos
303
Garantir a paz em que sentido? até onde sei não estamos em guerra. Sem falar que isso provavelmente iria provocar uma corrida nuclear na AL e, como sabemos, nossos maiores desafetos na região iriam jogar sujo, comprando tecnologia no mercado negro. só iria aumentar mais ainda a instabilidade. Por fim, pra cada Paquistão que tem armas nucleares para "manter a paz" dá pra citar uns 10 sem armas, com uma economia muito maior e igualmente pacíficos.
O fato de não estarmos em guerra no atual momento não impede que isso aconteça no futuro.

Se a ditadura Venezuela conseguir se reconsolidar, por exemplo, a chance deles quererem se nuclearizar é alta, independente das nossas ações ou reações. O isolamento da Russia pode muito bem ser uma ponte para isso.

A bomba evitaria que qualquer outra nação botasse o pé em nosso território. Pode parecer absurdo, mas hoje a bomba atômica é uma arma de paz. Ela evita que novas grandes guerras surjam.
 

VRgulino

Ser evoluído
Mensagens
203
Reações
187
Pontos
43
nada como apontar uma bomba nuclear para as favelas cariocas pra garantir a paz

a gente também devia ter nossos próprios terroristas muçulmanos e algumas câmaras de gás
 

blackjew

Bam-bam-bam
Mensagens
12.360
Reações
3.666
Pontos
479
Massa, o cara de relações exteriores mostrando que o BR quer nuke pra dar susto na China e Rússia? :kkk

Mais fácil essa bomba explodir aqui mesmo do que conseguir atravessar o oceano. Fora que o cara tá tão iludido que nem passa pela cabeça que o primeiro país que vai querer cortar as asinhas são os EUA. :facepalm
 

O Rei Rubro

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
18.175
Reações
29.305
Pontos
589
Ainda bem que não fazem mais nem novas usinas nucleares aqui, quanto mais bombas. As angras uma hora vão feder e zoar aquela região, igual tudo aqui fede.
 

Notwen

Bam-bam-bam
Mensagens
1.569
Reações
2.382
Pontos
303
Brasil, potência nuclear dormente...
Arma nuclear aqui é só questão de alguma guerra séria em escala mundial... ou pelo menos o refino do urânio para "repassar" pros aliados... tecnologia pra isso já se tem (enriquecer o urânio... quem aí lembra de uma "visita" da ONU ou algo assim para ver nossas centrífugas? :P)
No mais:
Meus nome é Enéas!!! Nunca questionei esse sábio :P
 

Dr.Saber

Bam-bam-bam
Mensagens
2.715
Reações
4.031
Pontos
303
Brasil, potência nuclear dormente...
Arma nuclear aqui é só questão de alguma guerra séria em escala mundial... ou pelo menos o refino do urânio para "repassar" pros aliados... tecnologia pra isso já se tem (enriquecer o urânio... quem aí lembra de uma "visita" da ONU ou algo assim para ver nossas centrífugas? :P)
No mais:
Meus nome é Enéas!!! Nunca questionei esse sábio :P
Até onde eu pesquisei, sou ignorante nesse assunto, a parte mas difícil seria o enriquecimento, e isso já conseguimos fazer. Sem falar que temos umas jazidas de urânio, então temos quase todos os ingredientes para fazer uma bomba nuclear.
 

DanielMF

Novato
Mensagens
23
Reações
27
Pontos
13
São as relações comerciais de importação e exportação que projetam o Brasil no cenário internacional. Este Governo já esteve flertando com o risco de comprometer com algumas dessas relações comerciais, devido as suas posições ideológicas que não acrescentam nada ao nosso país. Agora, falar de bomba atômica? Para que? Essa é a expressão máxima dessa facção ideológica do governo, que podem ter certeza, só prejudicaria o Brasil economicamente e politicamente.

Ideia de quem vive numa bolha ideológica sem conexão com a realidade, que não entende como é o cenário internacional no século XXI.
 

UT_Killer

Bam-bam-bam
Mensagens
5.675
Reações
2.821
Pontos
469
O foda desses manés filhos do bolsonaro, é que as baboseiras que eles falam acabam inevitavelmente respingando no presidente. Mais munição pra oposição ficar torrando a paciência.
O foda é que esse mané que só fala baboseira é deputado federal, e foi um dos mais votados da história do Brasil, porque um monte de idiotas só querem apoiar o Bolsonaro de qualquer forma.
Aí quando o cara faz merda, não pensam que é um deputado falando merda que pode prejudicar o país, pensam só em: "Droga, isso vai prejudicar o Bolsonaro..."
 

sebastiao coelho neto

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
11.772
Reações
24.245
Pontos
639
O fato de não estarmos em guerra no atual momento não impede que isso aconteça no futuro.

Se a ditadura Venezuela conseguir se reconsolidar, por exemplo, a chance deles quererem se nuclearizar é alta, independente das nossas ações ou reações. O isolamento da Russia pode muito bem ser uma ponte para isso.

A bomba evitaria que qualquer outra nação botasse o pé em nosso território. Pode parecer absurdo, mas hoje a bomba atômica é uma arma de paz. Ela evita que novas grandes guerras surjam.
Essa hipótese da guerra é muito remota e poderia ser usada para qualquer país do mundo. "Chile não está em guerra agora mas pode acontecer no futuro, então..."; "Austrália não está em guerra agora mas pode acontecer no futuro, então..."; "Mônaco não está em guerra agora mas pode acontecer no futuro, então..." e assim vai.

Quanto a Venezuela, se nem quando o ditador Chavez estava forte, a economia bombando e aliados em toda AL eles fizeram isso, não vai ser agora. A ditadura venezuelana, apesar do discurso ideológico e belicista, nunca quis conflito, só roubar. Além disso, mesmo que Maduro não seja defenestrado do poder para começar a nuclearização das forças armadas eles teriam que se recuperar economicamente, aguentar as sanções de outros países e ainda correriam o risco de perder seus aliados nucleares, como China e Rússia. Agora se o Brasil resolver investir nisso aí sim a Venezuela vai na onda, nem que seja para manter a retórica. E se ela investir, a Colômbia também vai.

A questão principal é que o Brasil não precisa de armas nucleares porque não corre riscos de ser invadido. E se o 03 tiver a cabeça no lugar ele sabe disso, só está com retórica para as massas.
 

XINTSUAI2

Mil pontos, LOL!
Mensagens
31.091
Reações
13.358
Pontos
1.029
O fato de não estarmos em guerra no atual momento não impede que isso aconteça no futuro.

Se a ditadura Venezuela conseguir se reconsolidar, por exemplo, a chance deles quererem se nuclearizar é alta, independente das nossas ações ou reações. O isolamento da Russia pode muito bem ser uma ponte para isso.

A bomba evitaria que qualquer outra nação botasse o pé em nosso território. Pode parecer absurdo, mas hoje a bomba atômica é uma arma de paz. Ela evita que novas grandes guerras surjam.
A Venezuela nem chega perto disso antes dos EUA passar um rodo neles.
 

Baralho

Bam-bam-bam
Mensagens
1.810
Reações
5.112
Pontos
293
Menos teorias e mais fatos, ou pode-se chamar de história, que fala por si:

  • Afeganistão, sem armas nucleares x Paquistão, com armas nucleares.
  • Ucrânia, que tinha, mas caiu no conto da paz universal e abdicou de seu arsenal, sem armas nucleares x Rússia, com armas nucleares
  • Iraque, sem armas nucleares x Irão, com armas nucleares.
  • Coreia do Sul e Japão, sem armas nucleares x Coreia do Norte, com armas nucleares.
Os primeiros foram invadidos, democratizados e no caso dos dois últimos (que foram sábios e seguiram a cartilha ocidental), até se desenvolveram, mas nunca como forças de auto-defesa plenamente independentes.

Os últimos pintam e bordam, no máximo sai uma notinha da ONU e até recebem muitas doações de alimentos, por vezes.

No caso de o Brasil, querer manter sua pretensa soberania, não agora, mas a longo prazo (quando ninguém dessa OS estiver na área pra testemunhar) quando os efeitos do clima já se farão terminais. Vai ser fundamental, para si, enquanto país, e autônomo, independente, estar bem defendido.
 

Mestre Axioma

Habitué da casa
Mensagens
192
Reações
320
Pontos
98
No final dos anos 90, Enéas defendeu a mesma ideia e caíram matando em cima dele. Há uma grande chance de caírem matando em cima do Eduardo também pelo mesmo motivo.
 

Gamer King

O Soberano
VIP
Mensagens
50.221
Reações
49.017
Pontos
1.069
Esse tratado de não proliferação de armas nucleares é uma piada, quem não tem não pode ter, mas quem tem continua tendo.

Ridiculo o Brasil e os demais países assinarem isso.
 

Silent Len

Bam-bam-bam
Mensagens
4.634
Reações
4.018
Pontos
304
Pra mim a bomba atômica brasileira já existe faz tempo e está trancada em algum bunker a sete chaves como uma peça de museu, o mesmo vale pro míssil que pode entregar a bomba no destino. E se for pros países valentões (como o clássico Rússia vs. Estados Unidos) brigarem e se auto-destruírem pra valer ninguém vai se lembrar de tratados e nem nada, alguém aperta o botão e um abraço. No máximo usam seu poderio pra barganhar em outras áreas (e armas nucleares também representam um alto desenvolvimento científico do país), nisso eu veria vantagem de ter não só armas nucleares mas forças armadas valorizadas (e não essa sucata atual).
 

Gamer King

O Soberano
VIP
Mensagens
50.221
Reações
49.017
Pontos
1.069
Pra mim a bomba atômica brasileira já existe faz tempo e está trancada em algum bunker a sete chaves como uma peça de museu, o mesmo vale pro míssil que pode entregar a bomba no destino. E se for pros países valentões (como o clássico Rússia vs. Estados Unidos) brigarem e se auto-destruírem pra valer ninguém vai se lembrar de tratados e nem nada, alguém aperta o botão e um abraço. No máximo usam seu poderio pra barganhar em outras áreas (e armas nucleares também representam um alto desenvolvimento científico do país), nisso eu veria vantagem de ter não só armas nucleares mas forças armadas valorizadas (e não essa sucata atual).
Ninguém tem arma nuclear pra usar e sim pra se proteger e ter poder de barganha como vc disse, então ser parte do clube atômico é um bom negócio no jogo global.

Usar é loucura, com o arsenal que existe hj o mundo acaba.
 

AlexandreFaustini

Bam-bam-bam
Mensagens
2.018
Reações
2.695
Pontos
294
Bolsonaro quer que o Brasil tenha uma bomba atômica. Boa idéia ou viraremos a nova Coréia do Norte?



por Carlos Cardoso via Meio Bit



Primeiro de tudo, que fique claro: Eu acho a idéia de ter uma bomba atômica excelente, eu adoraria ter uma, resolveria um monte de problemas e ninguém mais me mandaria boletos, mas é uma coisa pessoal, MINHA bomba. A idéia de outros, principalmente Estados terem acesso a armamento nuclear, já não é tão atraente, mas isso não impediu muita gente de tentar. Por isso a ambição do nobre Deputado nem é tão original.


Em uma declaração feita dia 14 de Maio, em uma audiência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, à qual preside, o Deputado Eduardo Bolsonaro disse, para representantes das Forças Armadas:
“Se nós tivéssemos um efetivo maior, talvez fôssemos levados mais a sério pelo (Nicolás) Maduro, ou temidos pela China ou pela Rússia", afirmou. “São bombas nucleares que garantem a paz ali... cadê o colega do Paquistão? Como é que é a relação do Paquistão com a Índia se só um dos lados tivesse uma bomba nuclear? Será que seria da mesma maneira que é hoje? Óbvio que não. Quando um desenvolveu a bomba nuclear, o outro desenvolveu no dia seguinte e ali está selada, ao menos minimamente, uma espécie de paz. Eu sou entusiasta desta visão”
O próprio deputado diz que não há nenhuma discussão sobre isso na Câmara, e que o momento atual não comporta esse tipo de idéia, mas não é a primeira vez que ele ventila a idéia de que possuir armas nucleares aumenta o prestígio político de um país, visão compartilhada por quase todo shithole no planeta. Há sentido nisso?
Antes de tentarmos responder, um breve histórico: O Brasil já teve um programa nuclear secreto, na verdade vários.


Tecnicamente a ambição começou com Getúlio Vargas, mas o sonho de um Brasil Nuclear começou a se fortalecer na década de 1970, mas as idéias de uso pacífico da tecnologia, em usinas e reatores navais logo se ampliou, quando descobrimos que a Argentina havia embarcado em um programa nuclear secreto.
Não poderíamos ficar para trás, então começamos nosso próprio programa nuclear, com blackjack e prostitutas, mas para fazer bombas atômicas, mísseis e reatores nucleares é preciso mais do que dinheiro, é preciso inteligência, e para isso o Governo Militar fez algo que está completamente fora de moda hoje em dia: Investiu pesado em educação, e a principal estratégia foi o...
"...envio de pesquisadores brasileiros ao exterior. Entre 1979 e 1983 foram concedidas 700 bolsas para cientistas brasileiros estudarem na França, nos Estados Unidos, na Inglaterra, na Alemanha e na Argentina. Os estudantes eram civis e militares. Desse grupo, retornaram ao Brasil 55 doutores, 396 mestres e 252 especialistas em áreas como segurança de reatores, materiais nucleares, ampliação de técnicas nucleares, infra-estrutura de pesquisa e desenvolvimento, além de recursos humanos." (fonte)
Antes disso o Brasil já tinha um acordo nuclear com a Alemanha, mas era tão restritivo que éramos obrigados a comprar o combustível nuclear do exterior, e não envolvia qualquer repasse de tecnologia. Acabamos correndo atrás, para desespero dos EUA e de todo mundo lá de fora, conseguimos desenvolver tecnologia de purificação de Urânio.
Urânio não é puro?
Urânio, como qualquer elemento natural, existe na forma de vários isótopos. De longe o mais abundante, formando 99.28% do Urânio natural é um 238U. Ele pode ser usado em alguns reatores primitivos mas não rende e não serve para ser usado em bombas. O ideal para isso é o Urânio 235. Infelizmente o 235U só forma 0.72% do Urânio natural.
Imagine o problema: Você tem um minério com 99.28% de um tipo de um material, e precisa separar outro material que tem as MESMAS características químicas, só é 3 nêutrons mais leve. (estou desconsiderando os outros 30 ou 40 isótopos de Urânio, mais leves ou mais pesados mas que aparecem em frações de percentual).
Esse problema comeu boa parte do dinheiro e do tempo do Projeto Manhattan, e foi resolvido com isto aqui:


É a K-25, uma instalação que custou o equivalente hoje a US$7.4 bilhões, eram quatro andares e 44 acres de tubos hermeticamente fechados filtrando hexafluoreto de urânio, separando os isótopos. A muito custo conseguiram produzir os 64Kg de Urânio enriquecido (com maior concentração de 235U) usado na bomba Little Boy, lançada em Hiroshima.
Do outro lado da cortina de ferro, os russos preferiram o método de ultracentrífugas, que separavam os isótopos com base em seu peso molecular. Foi essa tecnologia que o Brasil reinventou.
E aprimorou. Depois que os EUA começaram a usar eles mesmos centrífugas, e claro ninguém queria dar a receita do bolo pro Brasil, a gente começou a pesquisar e conseguimos algo inovador: Centrífugas muito mais eficientes, com eixos eletromagnéticos ao invés de físicos. Sim, hoje é algo que você encontra em coolers de CPU high-end, mas 30 anos atrás não era comum.
Por isso muita gente se assustou quando o Presidente Sarney anunciou que o Brasil já dominava a tecnologia de enriquecimento de Urânio, e as estimativas eram que em 1989 teríamos Urânio enriquecido a 20% e logo chegaríamos a mais de 80%.
Urânio usado em reatores convencionais em geral é enriquecido entre 3% e 5%. 80% é Urânio para uso em armas, e essas declarações deixaram muita gente assustada, por mais que todo mundo falasse o tempo todo que o Brasil era da paz, que nunca iríamos produzir armas nucleares.


Tecnicamente ele não tem nada a ver com isso mas o filho é dele...
Enquanto isso programas paralelos corriam em segredo, mas para a sorte do mundo e de Buenos Aires a ciumeira tradicional nas forças armadas fez com que QUATRO programas de enriquecimento de Urânio fossem desenvolvidos em paralelo, o oficial do governo e 3 secretos do Exército, Marinha e Aeronáutica.
Acompanhando o discurso pacifista, em 1982 o Chefe do Estado-Maior da Armada Brasileira, o Almirante-de-Esquadra José Gerardo Theophilo Albano de Aratanha (ufa!) deu uma entrevista dizendo que o Brasil tinha sim tecnologia para fazer uma bomba atômica. Entretanto o Almirante, Físico de formação, descartava armas nucleares como boas alternativas, por causa dos danos causados pela contaminação.
Em uma rara visão futurista ele disse que as armas do terceiro milênio deveriam ser raios laser, micropartículas e tudo. A gente se arrastando tentando replicar tecnologia de 1945 e o Almirante pensando em phasers!


Claro, o resto do Governo não pensava assim, e em 1986 surgiu a notícia de que na Serra do Cachimbo, no Pará a Aeronáutica havia preparado um campo de testes de armas nucleares, incluindo um buraco de mais de 300 metros de profundidade.
Imediatamente todo mundo entrou em regime de controle de danos, repórteres foram levados para visitar a base, militares e o Presidente da República negaram que o tal buraco era nuclear, alguns afirmaram que era usado para treino de tiro de bombas e mísseis, provavelmente para caso de invasão dos Homens-Toupeira.
Para sorte do governo, rolou o acidente em Goiânia com o 137Cs e alguém teve a brilhante idéia de armazenar na Serra do Cachimbo as toneladas de materiais contaminados. A Aeronáutica apoiou com entusiasmo. "Isso mesmo, foi pra isso que construímos o buraco, pra armazenar lixo radioativo, nada de teste de bombas, isso, isso!". O Governador do Pará chiou, os índios chiaram, ecologistas chiaram e a idéia acabou descartada.
Claro que depois que saiu uma CPI a casa caiu, e foi confirmado que as instalações eram mesmo para testes de armas nucleares, que estavam sendo desenvolvidas, ou ao menos desejadas, como afirmou o chefe do projeto da Marinha, o Vice-Almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva.
Agora a melhor parte!


Em 1995 a Folha revelou a existência de um documento secreto do Conselho de Segurança Nacional para o Presidente Figueiredo. Assinado pelo então General Danilo Venturini, o texto fala sobre a necessidade do Brasil desenvolver tecnologia de "reprocessar material irradiado", isto é, usar o 235U dos reatores nucleares para produzir Plutônio, pois o documento era de 1984, Plutônio só começaria a ser vendido em farmácias em 1985.
Mais adiante o texto fala sobre produzir "explosivos nucleares", mas consultado pela Folha, o General (já aposentado) explicou que não tinham qualquer propósito bélico, que ninguém queria construir uma bomba atômica, que o objetivo era criar explosivos nucleares para fins pacíficos, como construir canais, abrir túneis, etc.
Pausa para risadas.
.
.
.
.
.
.
Acabou? OK, prossigamos.
Em algum momento desse sarapatel, surgiu o valor de US$111 bilhões para o desenvolvimento de uma bomba atômica brasileira. Parece realista, visto que o Projeto Manhattan, corrigindo pela inflação custou US$23 bilhões, e dada nossa tradição de fazer dinheiro sumir em projetos estatais, é factível o número.
Os militares foram perdendo o interesse, o dinheiro foi encurtando e os projetos se tornaram oficiais, como o programa de desenvolvimento do Submarino Nuclear, a tecnologia de centrífugas foi reconhecida oficialmente, aceitamos (com restrições) inspeções internacionais e em 1990 Fernando Collor colocou literalmente uma pá de cal no assunto, enterrando simbolicamente o buraco na Serra do Cachimbo.


O Brasil já tinha assinado vários tratados de não-proliferação, inclusive com a Argentina, e deixou de ser pária. Hoje o resto do mundo tem razoável certeza de que nossas pesquisas nucleares são para fins pacíficos de geração de energia ou de propulsão.
Isso, claro, não impediu que gente sem noção continuasse falando bobagem, e antes do Eduardo Bolsonaro, não podemos esquecer do Enéas Carneiro, que prometia uma bomba atômica em sua campanha eleitoral, e de José Alencar, Vice-Presidente da República que em 2009 declarou que o Brasil deveria ter uma bomba atômica para proteger o pré-sal e que
"armas nucleares seriam importante fator de dissuasão e dariam mais respeitabilidade ao país."
Isso mesmo: O Vice do Lula e o Filho do Bolsonaro repetindo o MESMO velho discurso de que armas nucleares garantem respeito. É a postura do hominídeo de 85 mil anos atrás que descobriu um tacape maior que o do vizinho e acha que assim ele vai parar de roubar suas frutas.
Armas nucleares não geram respeito?


Em uma palavra: Não. No máximo elas geram medo. O mundo só sobreviveu à Guerra Fria por causa de um conceito chamado MAD - Destruição Mútua Assegurada. Os dois lados sabiam que se atacassem, destruiriam o inimigo mas seriam destruídos no inevitável ataque de retaliação.
Tony Stark diz que o ideal é ser temido E respeitado, mas na prática você só é temido, o bastante para seu vizinho não-nuclearizado gastar o que tem e o que não tem para se igualar. Isso aconteceu com a Índia. Eles decidiram em 1967 que iriam ter armas nucleares, e conseguiram, depois de um projeto onde usaram tudo que tinham e não tinham, detonaram seu primeiro artefato em 1974. Sete anos apenas.
Lembrando que a Índia em 1967 era a definição de shithole. A renda per capita dos Estados Unidos era de US$4,336.40, a do Brasil US$346.90, A da Índia, US$96.60.


Quando ficou claro que a Índia seria bem-sucedida, o Paquistão começou em 1972 a desenvolver seu próprio programa nuclear, mesmo com uma renda per capita de US$151.80. Eles conseguiram uma detonação só em 1998, hoje têm um arsenal de 150 ogivas, a Índia tem 140, mais que o suficiente para ambos se destruírem, mesmo assim a dissuasão não está funcionando.
Eles já se pegaram pra valer um monte de vezes, inclusive em conflitos chamados abertamente de "guerras". Até agora os dois lados confiam na lógica de que se um lado não usar armas nucleares, o outro não vai usar, o que é insano. No momento em que algum dos dois chegar em um ponto decisivo, quando perceber que a derrota é iminente, IRÁ utilizar um míssil balístico, na esperança de amedrontar o outro lado, no melhor estilo Mel Gibson, "eu sou louco não tenho nada a perder", mas a resposta será automática.
Ah sim, os dois estão se pegando tem mais de mês, já morreu gente, etc.


No caso da Melhor Coréia, em 1956 o país já tinha ambições de desenvolver um programa nuclear, coisa que a União Soviética era contra, mas como tinha controle absoluto do país, treinou cientistas e ajudou a montar uma indústria nuclear, com reatores para produção de energia.
Quando a União Soviética acabou e a Melhor Coréia ficou sem sua principal fonte de renda, achou que a única forma de se defender seria com armas nucleares, e acelerou o programa. Entre 1992 e 1996 o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Hans Blix tentou inspecionar as atividades nucleares da Melhor Coréia, sem sucesso, sempre sendo bloqueado de visitar instalações, ou com promessas vazias.


Hans Blix
No final em 2006 a Melhor Coréia detonou sua primeira ogiva nuclear, e de lá pra cá foram só mais e maiores bombas, e mísseis capazes de levar artefatos maiores por distâncias igualmente maiores. Por um momento pareceu que Donald Trump havia convencido o Grande Líder a encerrar seu programa nuclear, mas aparentemente os testes de mísseis recomeçaram. Mesmo assim...
A Coréia do Sul nem os EUA nunca invadiram o Norte. A preocupação sempre foi a imensa força de artilharia convencional, são mais de 10.000 peças apontando para Seul. Sem dividir um átomo sequer boa parte da cidade seria arrasada, invadir a Melhor Coréia sempre teve um custo muito alto, bomba por bomba a paz não foi mantida pelas armas nucleares, e sim pelas bombas convencionais.
Quanto a ser respeitado? Sejamos sinceros, pouca gente foi mais zoada nos últimos anos do que o Grande Líder e seus Generais:






Conclusão:
Hoje o mundo tem oito países que possuem armas nucleares:
  1. Estados Unidos
  2. Rússia
  3. Reino Unido
  4. França
  5. China
  6. Índia
  7. Paquistão
  8. Coréia do Norte
Israel para todos os fins práticos também possui armas nucleares mas nunca confirmou isso publicamente, o que as tira da equação.
De qualquer forma desses 9 países seis são racionais o suficiente para não temermos um uso impensado, mas a intercessão entre países racionais e países que querem armas nucleares é muito pequena, sempre tem um Zé Alencar ou um Bolsonaro com esses sonhos megalomaníacos, e o resultado é sempre catastrófico.
Um Brasil nuclear significa uma Argentina nuclear, todos os anos de boa-vontade e promessas de amizade cairão por terra, gastaremos dinheiro que não temos para manter um arsenal que (com sorte) não iremos usar, ao mesmo tempo que sofreremos sanções econômicas de todos os lados.
Eu sei que internamente somos os velhos selvagens do Serengeti, e desejamos esmagar nossos inimigos, vê-los caídos diante de nós e ouvir os lamentos de suas mulheres, mas armas nucleares não farão isso. A forma mais eficiente é criar um país forte, com uma economia robusta, uma elite intelectual que aproveite os talentos de todas as parcelas da população e que resolvam com ciência e tecnologia nossos problemas.
Quando esse dia chegar, o máximo de tecnologia bélica que vamos precisar é um muro na fronteira, idealmente com a Argentina pagando.
 

lakota

Veterano
Mensagens
592
Reações
595
Pontos
133
Com o pai dele destruindo a educação e pesquisa científica? Ele deve pensar que bomba nuclear se cria que nem traque

Enviado de meu SM-J105B usando o Tapatalk
 

sebastiao coelho neto

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
11.772
Reações
24.245
Pontos
639
Menos teorias e mais fatos, ou pode-se chamar de história, que fala por si:

  • Afeganistão, sem armas nucleares x Paquistão, com armas nucleares.
  • Ucrânia, que tinha, mas caiu no conto da paz universal e abdicou de seu arsenal, sem armas nucleares x Rússia, com armas nucleares
  • Iraque, sem armas nucleares x Irão, com armas nucleares.
  • Coreia do Sul e Japão, sem armas nucleares x Coreia do Norte, com armas nucleares.
Os primeiros foram invadidos, democratizados e no caso dos dois últimos (que foram sábios e seguiram a cartilha ocidental), até se desenvolveram, mas nunca como forças de auto-defesa plenamente independentes.

Os últimos pintam e bordam, no máximo sai uma notinha da ONU e até recebem muitas doações de alimentos, por vezes.

No caso de o Brasil, querer manter sua pretensa soberania, não agora, mas a longo prazo (quando ninguém dessa OS estiver na área pra testemunhar) quando os efeitos do clima já se farão terminais. Vai ser fundamental, para si, enquanto país, e autônomo, independente, estar bem defendido.
Seus exemplos não se sustentam:
  • Paquistão tem armas para se contrapor à Índia, que criou a sua primeiro, e não para obter algum tipo de pressão contra o afeganistão. E lembre-se que o fato dos dois terem armas não impede conflitos na Caxemira, atentados na Índia, etc...
  • CS e Japão são aliados incondicionais dos EUA, então não precisam de armas. Sem falar que o Japão, com a rendição, se comprometeu a ter forças armadas somente para defesa.
  • Vários países seguiram a Ucrânia e você segue o mesmo de dois acima. Ter armas não garantiria a paz (Índia x Paquistão) e a Ucrania já tratou de se aliar com outras nações nucleares (como CS e Japão).
  • Iraque foi invadido e seu ditador deposto justamente porque se suspeitava de armas nucleares. Deveria ter criado antes, na Guerra Fria. Se tivesse não seria invadido! Poderíamos falar isso para todos os países da região que tiveram conflitos. Kuwait, Líbano, Palestina... Revisionismo não adianta ser discutido. E o Irã, até o momento, não tem armas nucleares. Ele sofre sanções justamente porque quer ter e no dia que as suspeitas forem mesmo confirmadas rapidinho ele seria invadido e sua aliada, Rússia, ficaria só na ameaça porque ela também não quer um Irã nuclear, assim como ela não queria um Iraque nuclear também.
Por fim, todos os países nucleares fora do eixo EUA x URSS x China só conseguiram porque fizeram isso na surdina. O Brasil anunciar que precisa de armas nucleares será a maior prova de que ele não quer ter armas nucleares.


edit. e Só mais um exemplo que desmente essa falácia de país mais seguro porque tem armas nucleares, Israel, que as tem , é alvo TODO DIA de mísseis da Faixa de Gaza.
 
Topo