O que há de Novo?
Fórum Outer Space - O maior fórum de games do Brasil

Registre uma conta gratuita hoje para se tornar um membro! Uma vez conectado, você poderá participar neste site adicionando seus próprios tópicos e postagens, além de se conectar com outros membros por meio de sua própria caixa de entrada privada!

  • Anunciando os planos GOLD no Fórum Outer Space
    Visitante, agora você pode ajudar o Fórum Outer Space e receber alguns recursos exclusivos, incluindo navegação sem anúncios e dois temas exclusivos. Veja os detalhes aqui.

[ErreJota] Chefão do CV sai da cadeia mesmo com mandado de prisão ativo

SirSerius

Bam-bam-bam
Mensagens
5.016
Reações
18.019
Pontos
353
RIO DE JANEIRO
Chefão do CV sai da cadeia mesmo com mandado de prisão ativo

Polícia Civil chegou a avisar Secretaria de Administração Penitenciária sobre nova ordem de prisão, mas traficante ganhou a liberdade e foi pra shopping


1_abelha-22572704.jpeg

Traficante Abelha: saída pela porta da frente da cadeia
https://odia.ig.com.br/autores/?autor=thuany-dossares
Publicado 29/07/2021 19:19 | Atualizado 29/07/2021 19:39

Rio - Integrante da cúpula do Comando Vermelho (CV), Wilton Carlos Rabello Quintanilha, o Abelha, de 49 anos, deixou uma das unidades do Complexo de Gericinó, em Bangu, na última terça-feira (27), pela porta da frente, com um mandado de prisão ativo.
Ele foi solto pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), mesmo com a Polícia Civil alertando, horas antes da soltura, de que havia um mandado de prisão, expedido duas semanas antes, por conta de um homicídio. A Seap diz que consultou o Tribunal de Justiça e enviou o documento à reportagem. Nele, o TJ diz que não há mandado de prisão. No entanto, a consulta que a pasta realizou ao tribunal faz referência a outro processo de Abelha, em que ele realmente não possui mandado.

Em nota, o Tribunal de Justiça disse que notificou a Seap e a Polinter do mandado por homicídio, por conta da morte de Ana Cristina Silva, de 26 anos, atingida por um tiro durante uma invasão de criminosos do CV ao Complexo do São Carlos, na Zona Norte do Rio. Ela seguia para o bar onde trabalhava, quando ficou no meio do fogo cruzado e tentou proteger o filho de apenas três anos. De acordo com investigações, Abelha, que é uma antiga liderança da organização criminosa, ordenou de dentro da Penitenciária Gabriel Ferreira Castilho, Bangu 3, a invasão ao conjunto de favelas.

Por conta disso, no último dia 14 de julho, o juiz Alexandre Abrahao Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), assinou o mandado e decretou que ele fosse cumprido. De acordo com a assessoria do TJ, os ofícios sobre a decisão foram encaminhados à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), que teria confirmado o recebimento, e à Polinter, especializada da Polícia Civil.

Mesmo com a determinação para que Abelha seguisse preso em decorrência deste novo crime, ele foi beneficiado no dia 20 de julho com um alvará de soltura, devido a outro processo. A Seap, então, consultou o TJ, que, na tarde do dia 26, respondeu não ter mandado de prisão em relação a esse processo.

Sabendo que Abelha estava para sair, a Polícia Civil, às 20h57 do dia 26 de julho, avisou à Seap de que constava um mandado de prisão pendente contra Abelha, o que indicava que ele deveria permanecer preso. Mesmo assim, ele foi colocado em liberdade.

No mesmo dia, Abelha foi a um shopping da Zona Norte comprar roupas e a um baile funk, onde até subiu ao palco para comemorar sua liberdade.

O traficante integra o grupo chamado de ‘conselho’, onde os criminosos com maior posição hierárquica dentro da facção tem poder de decisão. Esses líderes, mesmo presos, são os responsáveis por coordenar negócios clandestinos a nível estadual e nacional, pela organização financeira e por determinar invasões territoriais a comunidades controladas por rivais.

Abelha tem forte influência nas favelas do Santo Amaro, Mangueira, Manguinhos e Complexo do Alemão. Por conta do seu forte poder de decisão, ele, que estava preso desde 2002, chegou a ser transferido para presídios federais duas vezes.
Confira as notas enviadas pela Polícia Civil, TJ e Seap:

Polícia Civil:
No início da noite do dia 26 de julho de 2021, a Secretaria de Polícia Civil foi demandada pela SEAP, através da DC-Polinter, acerca da realização do NADA CONSTA do nacional WILTON CARLOS RABELLO QUINTANILHA, filho de DULCINEA MARIA MACEDO RABELLO, vulgo "ABELHA".

Atualmente, por determinação do Conselho Nacional de Justiça, a responsabilidade pela análise do nada consta dos presos beneficiados por alvarás de soltura é das próprias varas criminais. A Polícia Civil, através da DC-Polinter, somente atua em colaboração e em casos específicos, como no dos beneficiados menores de 21 anos ou quando o sistema do TJ estiver fora do ar.

Não obstante, mesmo a referida consulta não estando enquadrado nas hipóteses acima, foi informado à SEAP que constava outro mandado de prisão preventiva com o status de PENDENTE de cumprimento nos sistemas da Polícia Civil.(confirmando que havia outro mandado expedido em face de WILTON CARLOS RABELLO QUINTANILHA, vulgo "ABELHA")

O referido mandado foi expedido pelo Cartório da 3ª Vara Criminal, no dia 14 de julho de 2021, nos autos do processo 0171637-16.2020.8.19.0001.


Seap:
A SEAP esclarece que em 20 de julho recebeu o alvará de soltura da pessoa citada e consultou o TJRJ quanto a existência de pendências judiciais. Em resposta recebida no dia 26 de Julho, foi certificado, após consulta ao Banco Nacional de Mandados de Prisão e os bancos de dados internos do TJRJ, que não havia impedimento para o cumprimento do alvará de soltura.

A SEAP informa, ainda, que não possui acesso ao banco de dados dos mandados de prisão. Tal análise é feita pelo próprio Tribunal de Justiça.


Tribunal de Justiça:
Os ofícios informando sobre os mandados de prisão foram enviados à SEAP, que confirmou o recebimento, e à Polinter. Não há nova decisão sobre revogação dos pedidos de prisão. O caso está para conclusão do juiz Alexandre Abrahão



:khuebr:facepalm
 




Guilge

Bam-bam-bam
Mensagens
7.552
Reações
15.408
Pontos
353
O tráfico paga o curso de direito de muita gente, formando advogados, juizes, promotores e até policiais que trabalham para o crime organizado, de outros eles simplesmente compram a sentença.

Este país é um narcoestado.
Queria saber se liberassem as drogas o que aconteceria com os traficantes de morros
 

NÃOMEQUESTIONE

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
17.568
Reações
51.006
Pontos
599
O tráfico paga o curso de direito de muita gente, formando advogados, juizes, promotores e até policiais que trabalham para o crime organizado, de outros eles simplesmente compram a sentença.

Este país é um narcoestado.

Verdade verdadeira. :kclassic

Tem muita, mas muita gente graúda profundamente envolvida com o crime organizado.
 

Seladonia

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
40.882
Reações
70.624
Pontos
849
O tráfico paga o curso de direito de muita gente, formando advogados, juizes, promotores e até policiais que trabalham para o crime organizado, de outros eles simplesmente compram a sentença.

Este país é um narcoestado.
É meio o que eu tava me referindo no meu outro post.

O pessoal do crime tem mais "poderes" que muito juiz, chegou num ponto que tem mais moral que ex-politico influente.

Ai tem sojado reclamando quando a policia metralha essas pragas. Tem como confiar na justiça daqui?
"Essas" pragas policia não metralha.

Policial que tocar num cara desses ta assinando a sentença de morte dele (e da própria família) além de condenar todo mundo que participou da mesma operação. E se tiver sorte vai ser uma morte rápida após alguma tortura.

Não existe salário que paga um risco desses.

Cartel do México por exemplo a própria policia do EUA tem medo.
 

punisher01

Habitué da casa
Mensagens
308
Reações
470
Pontos
98
É meio o que eu tava me referindo no meu outro post.

O pessoal do crime tem mais "poderes" que muito juiz, chegou num ponto que tem mais moral que ex-politico influente.


"Essas" pragas policia não metralha.

Policial que tocar num cara desses ta assinando a sentença de morte dele (e da própria família) além de condenar todo mundo que participou da mesma operação. E se tiver sorte vai ser uma morte rápida após alguma tortura.

Não existe salário que paga um risco desses.

Cartel do México por exemplo a própria policia do EUA tem medo.
Fale mais sobre a polícia mexicana

Enviado de meu SM-G991B usando o Tapatalk
 

SirSerius

Bam-bam-bam
Mensagens
5.016
Reações
18.019
Pontos
353
Justiça determina apreensão de imagens para apurar saída de chefe do tráfico da cadeia; veja vídeo (no Link) exclusivo

Gravações da última semana do preso na cadeia já estão com MP do Rio, que quer saber como ele foi solto, mesmo com mandado de prisão

Vera Araújo
06/08/2021 - 16:53 / Atualizado em 06/08/2021 - 17:54

Um dos chefes da maior facção do Rio, Wilton Carlos Rabelo Quintanilha, o Abelha, está solto. Foto: Wania Corredo / Agência Globo

Um dos chefes da maior facção do Rio, Wilton Carlos Rabelo Quintanilha, o Abelha, está solto. Foto: Wania Corredo / Agência Globo

RIO — A Vara de Execuções Penais (VEP) determinou a apreensão das imagens do Presídio Vicente Piragibe, no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste, na última semana que o chefe da maior facção criminosa, Wilton Carlos Rabello Quintanilha, o Abelha, de 49 anos, ficou acautelado no local. Quintanilha está no centro de uma polêmica entre Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) e Polícia Civil, desde o dia 27 de julho, quando o detento foi solto, mesmo tendo um mandado de prisão ativo pelo 3º Tribunal do Júri. O material já está sob análise dos investigadores. O GLOBO obteve com exclusividade o vídeo do preso deixando a cadeia. Veja as imagens:

Wilton Carlos Rabello Quintanilha, o Abelha, é considerado de

Wilton Carlos Rabello Quintanilha, o Abelha, é considerado de "alta periculosidade", um dos chefes da maior facção do tráfico no Rio e estava preso desde 2011. Ele é alvo de polêmica por sair do sistema com mandado de prisão ativo.

O pedido para a apreensão do material foi feito pela 1ª Promotoria de Justiça que atua no 3º Tribunal do Júri, com o objetivo de saber se houve algum tipo de irregularidade na soltura de Quintanilha. O juiz titular da vara, Alexandre Abrahão, entendeu que, por ser uma solicitação para apurar "eventuais debilidades ocorridas na gestão dos presídios", encaminhou a demanda para o titular da VEP, Marcello Rubioli.

O magistrado da Vara de Execuções Penais não só determinou a apreensão das imagens registradas no o período de 20 a 27 de julho, como também decidiu pela arrecadação do livro de ocorrências da portaria do presídio. As imagens estão num HD com o Ministério Público do Rio (MPRJ).

A Seap informou que soltou Quintanilha porque havia um alvará de soltura e tinha 24 horas para cumprir a ordem judicial expedida pela 29ª Vara Criminal. Apesar da existência de um mandado de prisão ativo pelo 3º Tribunal do Júri contra o detento, o setor de Distribuição e Controle de Processos (DCP) do TJRJ e o Banco Nacional de Mandados de Prisão (BNMP) do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), não constava a informação até o dia 30 de julho.
O secretário de Administração Penitenciária, Raphael Montenegro, disse ao GLOBO que cumpriu a Resolução 108/2010 do CNJ para buscas de mandados.No entanto, no dia 15 de julho, antes da soltura de Quintanilha, o 3º Tribunal do Júri mandou um alerta de contigenciamento à Seap sobre o mandado de prisão contra Quintanilha. O documento consta no Serviço Eletrônico de Informações (SEI), que comprova que a Seap foi informada do mandado de prisão em aberto contra o preso.

Antes mesmo do pedido do Ministério Público do Rio, a VEP já estava tomando providências a respeito da soltura do preso. Segundo nota do TJRJ, Rubioli instaurou um procedimento de fiscalização para apurar as informações sobre os excessos no ato de soltura.
A nota do TJRJ informa que: "houve uma falha no BNMP, que estava fora do ar, então os atos não foram enviados para o sistema. Os documentos então foram emitidos em contingência e enviados à Seap por ofício, que acusou o recebimento, inclusive gerando protocolo no SEI. A 2ª Vice-Presidência do TJRJ abrirá um procedimento para a apuração do ocorrido e com o objetivo de evitar erros no futuro".

Segundo o processo no 3º Tribunal do Júri, Quintanilha é réu pelo homicídio de Ana Cristina Silva, de 25 anos, baleada durante a invasão do bando dele ao Morro de São Carlos, no Estácio, no dia 26 de agosto do ano passado. O caso ganhou repercussão porque a jovem, no momento dos disparos, se curvou para proteger o filho de 3 anos para protegê-lo dos tiros. Ana Cristina foi atingida na cabeça por uma bala de fuzil. É justamente este mandado de prisão contra ele que está pendente.

 

ktulu

Ei mãe, 500 pontos!
VIP
Mensagens
10.386
Reações
28.283
Pontos
619
Só resta torcer pra que morra em seguida. Pelo menos até onde eu lembro não vemos notícias de chefões do tráfico morrendo com 60, 70, 80 anos. Normalmente morrem jovens.
 
Topo Fundo