O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


O que aconteceria com os gregos se o país deixasse o euro?

Ilellada

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
14.656
Reações
29.054
Pontos
619
Impasse continua nas negociações entre Grécia e UE; país pode ficar sem dinheiro se acordo não for fechado este mês
O governo da Grécia, eleito em janeiro sob a promessa de que acabaria com as medidas de austeridade impostas no país, segue travando um braço de ferro com a União Europeia (UE) na negociação por um novo acordo financeiro.
A Grécia quer um empréstimo e não uma extensão do acordo de resgate - fechado com a UE e o FMI para tirar o país de sua profunda crise econômica -, que inclui as duras medidas de austeridade.
Se não houver acordo até o final de fevereiro, a Grécia ficará sem meios de conseguir dinheiro e se veria praticamente obrigada a sair da zona do euro.
Seria uma situação inédita; desde 1999, ano em que o euro foi lançado, nunca um país teve de desistir da moeda. E não há um processo formal estabelecido para um caso desses - tudo seria feito na base do improviso.
Veja abaixo respostas a algumas das principais dúvidas que surgem para o caso da Grécia ter mesmo de deixar a zona do euro.
O que aconteceria com a Grécia?

Gregos têm apoiado o governo, cansados de cortes e medidas de austeridade
O ex-primeiro-ministro grego Antonis Samaras advertiu que o padrão de vida grego poderia cair em 80% nas semanas seguintes a uma eventual saída do euro.
O governo grego, incapaz de tomar empréstimos - mesmo de outros países europeus - ficaria sem dinheiro. Teria que pagar benefícios sociais e salários de funcionários públicos em notas promissórias - se conseguir pagá-los - até que uma nova moeda fosse introduzida.
A Grécia não conseguiria pagar suas dívidas, que atualmente somam cerca de 320 bilhões de euros (cerca de R$ 1 trilhão), a maior parte com governos e agências europeias e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
O governo teria que impor um congelamento a saques e remessas de dinheiro ao exterior. Isto poderia levar a uma corrida de gregos aos bancos tentando sacar o dinheiro de suas contas antes que ele seja convertido a uma nova moeda cujo valor seria substancialmente menor.
No longo prazo, a economia da Grécia se beneficiaria com uma taxa de câmbio muito mais competitiva. Mas a desvalorização não resolveria outros problemas da economia, incluindo o sistema de cobrança de impostos falho e dificuldades em controlar os gastos do governo.
Há também a possibilidade real de alta da inflação. A arrecadação fiscal provavelmente cairia com a contração da economia e o governo, então, financiaria os gastos, emitindo moeda.
A provável desvalorização da moeda também seria inflacionária e tornaria bens importados mais caros - o que incluiria diversos alimentos e remédios.
O que aconteceria com a zona do euro?

Saída grega poderia levar a uma crise maior na zona do euro, especialmente entre países mais vulneráveis do sul
Há o perigo de que a saída da Grécia da zona do euro possa causar um dano econômico maior, mas o risco é visto como muito menor desde 2012, quando tal especulação era forte.
O Banco Central Europeu é um elemento-chave por trás dessa mudança. Em primeiro lugar, pelo compromisso de fazer "o que for preciso para preservar o euro", como disse o presidente do BCE, Mario Draghi, em julho de 2012.
A entidade se comprometeu, depois, a comprar títulos das dívidas dos governos cujos custos de empréstimos foram afetados por temores deles deixarem o euro.
O BCE não tem atuado nessa frente, mas a existência desta promessa foi suficiente para acalmar os mercados financeiros da zona do euro. E o BCE poderia usar esta iniciativa se os temores ressurgirem no caso de uma saída da Grécia.
Há também o afrouxamento monetário (conhecido como "quantitative easing", ou QE), o programa de compra de títulos da dívida pública em toda a zona do euro, anunciado pelo BCE em janeiro.
O plano não tem como alvo países financeiramente vulneráveis, mas a expectativa já reduziu os custos de empréstimos de governos, que permaneceram baixos para todos os países da zona do euro, à exceção da Grécia.
Apesar de tudo isso, se a Grécia realmente deixar a zona do euro, o contágio financeiro não pode ser descartado.
Correntistas de outros países da zona do euro em dificuldades, como Espanha ou Itália, também poderiam transferir seus depósitos para locais mais seguros, como a Alemanha, provocando uma crise bancária no sul da Europa.
A confiança em outros bancos que emprestaram grandes volumes para o sul da Europa - como os bancos franceses - também poderia ser afetada. Tal crise bancária poderia se espalhar pelo mundo, assim como em 2008.
O que significa para as empresas?

Empresas enfrentariam incertezas jurídicas e financeiras com uma saída grega da zona do euro
Empresas gregas enfrentariam um desastre legal e financeiro. Alguns contratos regidos pela lei grega seriam convertidos para uma nova moeda, enquanto outros contratos estrangeiros permaneceriam em euros. Muitos contratos poderiam acabar em disputas judiciais.
Empresas gregas que têm grandes dívidas em euros com credores estrangeiros, mas cujas principais fontes de renda seriam convertidas para uma outra moeda desvalorizada, não conseguiriam honrar seus compromissos.
Muitas empresas ficariam numa situação de insolvência - com suas dívidas valendo mais do que seus ativos - e estariam à beira da falência. Credores estrangeiros e parceiros de empresas gregas enfrentariam grandes perdas.
No resto da zona do euro, empresas, temerosas com o futuro do euro, poderiam cortar investimentos. Diante de uma enxurrada de más notícias na imprensa, cidadãos comuns poderiam começar a reduzir seus próprios gastos. Tudo isso poderia empurrar a zona do euro para uma recessão.
O euro poderia perder valor nos mercados de câmbio, o que daria um certo alívio à zona do euro por tornar suas exportações mais competitivas no cenário internacional. Mas a desvantagem é que as importações ficariam mais caras - especialmente nas transações com EUA, Reino Unido e Japão.
Quais seriam as consequências políticas?

Saída grega poderia dar fôlego a forças contrárias ao euro e a UE
Uma saída grega minaria a ideia de que o projeto do euro é irreversível e poderia dar impulso a forças contrárias à moeda única e à União Europeia em outros países.
Na Espanha, o partido de esquerda antiausteridade Podemos está se fortalecendo, e haverá eleições ainda neste ano. Em Portugal, que também vai às urnas neste ano, há uma crescente insatisfação com medidas de austeridade.
Nos termos da atual legislação europeia, o abandono do euro provavelmente também significa deixar a União Europeia. Mas havendo vontade política dos países do bloco, é provável que seria possível encontrar uma maneira de manter a Grécia na UE.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2015/02/150218_grecia_explainer_hb?ocid=socialflow_twitter
 


Horaciopc

Bam-bam-bam
Mensagens
2.442
Reações
2.156
Pontos
293
bem, usando meus conhecimentos de economia, acho que os gregos vão ficar bem pobres e vão se revoltar contra o governo, um grupo de cientista irão inventar um vírus capaz de renascer os heróis da antiguidade, mas algo vai dar errado e eles vão renascer mals então o povo da grécia terá que se unir para derrotar os antigos que heróis que serão os vilões, e quando eles tiverem matando o ultimo herói que é o Aquiles, nos ultimos momentos de vida ele irá dar uma aula de que Platão uma vez Blah blah blah. Isso vai unir ainda mais os gregos e eles irão virar os mais ricos da Europa e a União Européia irá convidar a Grécia de volta e o Euro irá retornar.

Eu acho, estudei economia na faculdade, posso estar errado mas falo com autoridade
 

rodrigoo

Bam-bam-bam
Mensagens
5.375
Reações
4.399
Pontos
414
daqui a pouco a crise de 2008 completa 10 anos e ainda está longe de parar de ter desdobramentos. incrivel
 

Silent Len

Bam-bam-bam
Mensagens
4.666
Reações
4.144
Pontos
304
Acho que a Grécia devia se unir com a Itália e pensar em uma solução conjunta. Os dois países estão na merda dentro da zona do Euro e trabalharam juntos em várias ocasiões na história, pode sair alguma coisa boa daí:klol
 

xogum

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
26.382
Reações
25.721
Pontos
759
A Alemanha devia sair conquistando esses países europeus todos pra botar ordem na casa. Nunca daria errado.
 


Sgt. Kowalski

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
44.375
Reações
94.901
Pontos
989
Boa sorte quando um pão pros gregos custar um trilhão de dracmas (era a moeda antiga?)

Enviado do meu Novo Moto X via Telepatia
 

deriks

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
11.740
Reações
10.899
Pontos
589
Acho que a Grécia devia se unir com a Itália e pensar em uma solução conjunta. Os dois países estão na merda dentro da zona do Euro e trabalharam juntos em várias ocasiões na história, pode sair alguma coisa boa daí:klol
A Itália, do jeito que é, daria mó rasteira nos gregos e eles iam se fuder mais ainda
 

Tauron

Bam-bam-bam
Mensagens
3.184
Reações
21.046
Pontos
303
Pobres Gregos... escolheram o pior caminho, e agora terão de trilha-lo.
Um misto de recessão, discursos inflamados na televisão e rabo entre as pernas na hora de sentar na mesa dos grandes.
O modus operandi padrão da turma.

Eu, particularmente, acredito que a Grécia não sairá da UE, pelo menos não por hora.
Populistas de esquerda como Tsipras jogam para a platéia, sua força real está no discurso fajuto e vazio de messias, no jogo de cena, na atuação de cavaleiro da esperança. Ele sabe muito bem que, a despeito de sua inflamada retórica nacionalista inflamar os corações gregos assustados e cansados, seus resultados, se postos em prática, são tenebrosos para o país.
Então faz-se necessários encontrar um ponto de equilíbrio entre a retórica inflamada de salvador da pátria e as ações práticas mais pragmáticas e subservientes ao mercado.
Ele vai fingir endurecer e "enfrentar" o imperialismo alemão para salvar os pobres gregos(aquela ladainha modorrenta de sempre...) e no final das contas, vai angariar algumas pequenas concessões(que serão amplificadas pela parte subserviente da imprensa grega e exibidas como medalhas de coragem) enquanto na prática abaixa a crista e segue o programa de austeridade imposto.

O que interessa é uma fatia dos 60 bilhões de euros/mês que o Banco Central Europeu destinou a compra de dívidas dos países da UE. Sem isso a insolvência da Grécia será inevitável e dolorosa. E Tsipras sabe muito bem disso.

Como também sabe que uma saída abrupta da UE traria uma desestruturação econômica e social tão profunda na Grécia que custaria sua própria cabeça e destruiria, ao menos pelas próximas gerações, todo discurso esquerdista-populista do Syriza afundando-o no ostracismo.
 

Goris

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
16.857
Reações
58.600
Pontos
553
Se eu trabalho e ganho mil reais por mês, nada mais obvio que eu gastar até, estourando, mil reais.

O governo grego ganha mil, gasta mais 300 do cheque especial e outros 300 no cartão de crédito e a culpa dele estar no vermelho é do chefe e do banco?

Deveriam é mostrar pra Grécia e outros gastadores que não se tolera esse tipo de comportamento.
 

Sgt. Kowalski

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
44.375
Reações
94.901
Pontos
989
Alemanha diz que pedido grego de
extensão de empréstimo é insuficiente

DA REUTERS
19/02/2015 09h32
A Grécia solicitou formalmente nesta quinta-feira à zonado euro a prorrogação por seis
meses de seu acordo de empréstimo, oferecendo grandes concessões, num esforço para
evitar a falta de dinheiro dentro de algumas semanas. Oministério alemão das Finanças
rejeitou, no entanto, a proposta de Atenas.
Os ministros das Finanças da zona do euro ainda se reunirãona sexta-feira à tarde, em
Bruxelas, para avaliar o pedido, disse o presidente do grupo, Jeroen Dijsselbloem, em um
tuíte.
Para o ministro alemão, no entanto, o pedido não atende às condições definidas pelos
parceiros da Grécia na zona do euro. A Alemanha é o principal suporte econômico da UE
(União Europeia), e já havia se posicionado no sentido de que o governo grego tem de se
ater aos termos de seu atual pacote internacional de resgate.
Com o programa da UE/FMI prestes a expirar dentro de pouco mais de uma semana, o
governo do esquerdista primeiro-ministro Alexis Tsipras precisa urgentemente garantir uma
tábua de salvação financeira para manter o país à tona apartir de março.
Segundo Martin Jaeger, porta-voz do ministério das Finanças alemão, no entanto, "a carta
de Atenas não é uma proposta que leva a uma solução substancial".
No Brasil, a notícia contribuiu para que a Bolsa recuasseda máxima em dois meses.
Yannis Behrakis/Reuters
Alemanha diz que pedido grego de extensão de empréstimo é insuficien... http://tools.folha.com.br/print?site=emcimadahora&url=http://www1.f...
1 de 3 19/02/2015 14:00
Turista fica sob bandeira grega na Acrópolis, em Atenas; Grécia quer extensão de
acordo de empréstimo
Apesar de comprometer o novo governo de esquerda a conterboa parte de novas
legislações e à "supervisão" por três instituições que inspecionam o resgate –a União
Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional, para Jager "a carta
não atende os critérios acertados pelo Eurogrupo [que reúne ministros das Finanças de
países da zona do euro] na segunda-feira".
DOCUMENTO
No documento visto pela Reuters, a Grécia promete cumpriras suas obrigações
financeiras para com todos os credores, reconhecer o programa da UE/FMI existente como
uma estrutura legal com a qual está comprometida e abster-se de ação unilateral que
prejudique as metas fiscais.
O mais significativo é que o governo grego aceita que a prorrogação seja monitorada pela
Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional, um recuo de
Tsipras, que prometeu acabar com a cooperação de inspetores, acusados de infligir
profundo dano econômico e social à Grécia.
O período de seis meses seria usado para negociar um acordode longo prazo para a
recuperação e o crescimento, incorporando novas medidas de alívio da dívida prometidas
pelo Eurogrupo em 2012.
Um funcionário grego disse à Reuters que o governo pediuuma extensão do Acordo
Master sobre o Instrumento de Assistência Financeira com a zona euro, mas insistiu que
os dirigentes do país estão propondo condições diferentes de suas atuais obrigações de
resgate.
"As autoridades gregas honram as obrigações financeiras da Grécia para com todos os
seus credores e também expressam nossa intenção de cooperar comnossos parceiros
para evitar impedimentos técnicos no contexto do Acordo Master sobre o Instrumento de
Assistência Financeira que reconhecemos como obrigatório em relação ao seu conteúdo
financeiro e processual", apontou o documento.
Ele informa que o objetivo da extensão de seis meses do programa de resgate é, entre
outras coisas, "assegurar, trabalhando de perto com nossos parceiros europeus e
internacionais que quaisquer novas medidas sejam totalmente financiadas ao mesmo
tempo evitando ações unilaterais que afetariam as metas fiscais, a recuperação econômica
e a estabilidade fiscal".
EXPECTATIVA
Com o atual acordo de resgate com a zona do euro vencendoem 28 de fevereiro, o
primeiro-ministro grego Tsipras disse que as negociações estavam em um estágio crucial e
que suas demandas por um fim da austeridade estavam ganhando apoio.
"Ocorreram protestos pela Europa apoiando as ações feitas pela Grécia e nós
conseguimos criar pela primeira vez, pelos contatos com os líderes estrangeiros, um
balanço positivo em relação a nossas exigências", disse em um encontro televisionado
com o presidente Karolos Papoulias.
As ações europeias em bolsas de valores atingiram as maiores altas em anos nesta
quarta-feira por conta do crescente otimismo de que um acordo sobre a dívida da Grécia
será alcançado até o fim da semana.
Os rendimentos dos bônus do governo grego caíram com força e os rendimentos dos
bônus de Espanha, Portugal e Itália também caíram com aredução dos temores de
contágio a outros países periféricos da zona do euro.

================

Faz buá e quer chupeta?
 

Beiçola From Hell

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
37.253
Reações
39.052
Pontos
753
E começam as consequências da escolha de um Regime Vermelhinho para a Grécia, relembramos o histórico:


1 - Grécia era um país relativamente pobre para os padrões Europeus.
2 - Entra na UE.
3 - Assume um governo de Esquerda que aumenta o salário de todo mundo (inclusive introduzindo o 14º Salário + o país ostentando a marca de um dos, senão o maior consumidor de carros de alto luxo do continente).
4 - País obviamente quebra, toda incompetência SERÁ punida, "that is the law".
5 - Governo austero e competente começa a reerguer a Grécia.
6 - País cresce depois de décadas de crescimento ilusório (com base em dinheiro emprestado) + uma recessão terrível que quebrou o país.
7 - Novamente assume um governo de Esquerda.
8 - Começam as discussões de uma saída da Grécia da UE.


Olha eu torço pela Grécia por tudo que ela fez pela civilização Ocidental, não fosse a luta de bravos guerreiros daquele país, talvez hj em dia o mundo seria governado por civilizações com a bárbara cultura Árabe...

Agora não da para deixar de citar que a incompetência e irresponsabilidade vem cobrando caro daquele país e com todos os méritos existentes.
 

Doctor Kafka

A Solitary Man
Mensagens
34.054
Reações
20.744
Pontos
1.064
O que aconteceria com os gregos se o país deixasse o euro?


Trocariam uma moeda bonita por uma feiosa, os dracmas eram bem pobrinhos.
 
Topo