O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


[Projeto Nuke HUE] Mineração de urânio será retomada em 2020, diz ministro

Sgt. Kowalski

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
42.740
Reações
90.653
Pontos
989
Mineração de urânio será retomada em 2020, diz ministro



BRASÍLIA - Paralisada há cinco anos, a mineração de urânio será retomada no Brasil em 2020, afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que trata o assunto como prioridade da pasta.
Com o Orçamento da União apertado e sem espaço para investimentos, a alternativa será a viabilização de parcerias entre empresas privadas e a Indústrias Nucleares do Brasil (INB), estatal que produz combustível para as usinas de Angra 1 e Angra 2, da Eletronuclear.
“Esperamos retomar a produção de urânio no ano que vem”, disse, em entrevista exclusiva ao Estadão/Broadcast. “O que temos que fazer é viabilizar a INB, torná-la uma empresa de economia mista. Isso não é um desejo, é uma decisão, uma política que o governo vai adotar.”

Criada oficialmente em 1988, a INB era um braço da antiga Nuclebrás, fundada para cumprir o acordo nuclear Brasil-Alemanha. A empresa domina o ciclo do combustível nuclear, que inclui mineração, beneficiamento, enriquecimento e produção do combustível que abastece as usinas.
A fábrica fica em Rezende (RJ), e as minas, em Caetité (BA). Há ainda um projeto de mineração a ser implantado em Santa Quitéria (CE). Mas, por causa de questões ambientais, há cinco anos o Brasil não extrai um grama de urânio, que tem sido importado, apesar de o País deter a sexta maior reserva do mundo.
Além dos problemas de licenciamento, a INB não consegue expandir sua unidade de produção de combustível por falta de dinheiro. Por ser uma estatal dependente do Tesouro Nacional - precisa de aportes da União para bancar despesas de custeio e de pessoal -, as receitas com a venda de combustível nuclear são repassadas diretamente para o Tesouro.
“A INB não vende o combustível? Vende. A Eletronuclear paga? Paga. E o dinheiro vai para onde? Para o Tesouro, porque ela é uma estatal dependente, e não volta. Olha que ciclo perverso”, disse o ministro, que é almirante da Marinha e foi responsável pelos programas nuclear e de desenvolvimento do submarino.
Para retomar a capacidade de investimento da empresa, o ministro disse que o governo já decidiu que vai viabilizar parcerias com a INB. “O governo não quer extingui-la”, disse. “A ideia é retomar a mineração de urânio a partir de 2020, com parcerias privadas com a INB. Não seria necessário investimento público. A União entra com a exclusividade na exploração de urânio”, afirmou. “Ainda não definimos como será feita a escolha do parceiro privado. Tem mais de um modelo.”
Monopólio

A União detém o monopólio constitucional da exploração de urânio, mas ainda assim seria possível fazer parcerias com empresas privadas - desde que as atividades relacionadas ao urânio sejam separadas das de outros minerais. “No que diz respeito ao urânio, a INB seria majoritária”, disse.
O ministro afirmou que o governo já está trabalhando para qualificar a INB no Programa de Parceiras de Investimentos (PPI), área responsável por privatizações e concessões. Para a produção de combustível nuclear, seria necessário haver uma mudança constitucional, por meio de uma proposta de emenda à Constituição (PEC). Albuquerque diz que não há riscos para a segurança nacional.
“Segurança existe. Operamos usinas nucleares há mais de 40 anos. Não existe problema com o setor privado. Qual a diferença do setor privado e do setor estatal? Nenhuma, desde que você tenha condições de controlar e fiscalizar. Acho que essa discussão é coisa do passado e, se for hoje para o Congresso, não vai haver esse tipo de resistência. Essa é a minha opinião pessoal, até pelo convívio que tenho com o Congresso e diversos parlamentares”, disse Bento Albuquerque.
 


Dr. No

Supra-sumo
Mensagens
491
Reações
1.484
Pontos
168
Um bagulho que eu não entendo é como o Brasil nesse tempo todo não chegou a fazer uma nuke. Até a África do Sul entre os anos 70 e 80 chegou a ter algumas em seu arsenal. Alguém saberia dizer o quão perto o Brasil chegou para fazer uma?
 

Ghim

Bam-bam-bam
Mensagens
9.292
Reações
14.348
Pontos
474
Um bagulho que eu não entendo é como o Brasil nesse tempo todo não chegou a fazer uma nuke. Até a África do Sul entre os anos 70 e 80 chegou a ter algumas em seu arsenal. Alguém saberia dizer o quão perto o Brasil chegou para fazer uma?
Fazer qualquer um faz, a questão é puramente política. Os países que já tem não gostam que outros tenham.
 

PicaPauBiruta

Bam-bam-bam
Mensagens
876
Reações
2.274
Pontos
248
Mais um elefante branco que o estado está criando, não temos usinas nucleares para suprir nem um estado , e nem temos tecnologia para construir uma bomba nuclear, fora que se começar a construir uma bomba, aí sim que a economia vai pra casa do chapéu, já que terá sansões e consequências que obviamente os Estados Unidos irão fazer !!!

Enviado de meu Moto Z2 Play usando o Tapatalk
 


konde10

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
12.086
Reações
11.686
Pontos
689
Essa parte é engraçada:

"A fábrica fica em Rezende (RJ), e as minas, em Caetité (BA). Há ainda um projeto de mineração a ser implantado em Santa Quitéria (CE). Mas, por causa de questões ambientais, há cinco anos o Brasil não extrai um grama de urânio, que tem sido importado, apesar de o País deter a sexta maior reserva do mundo. "

Extrai logo essa porcaria e exporta para Irã, Coréia do Norte, pra quem quiser, eu não me importo.
 

Baralho

Bam-bam-bam
Mensagens
2.736
Reações
7.764
Pontos
303
O Brasil conseguiu refinar a uma pureza adequada pra produção de energia (usinas de Angra I e II), com tecnologia própria, no entanto como citado, questões ambientais (e políticas, lógico) encareceram o processo (feito com material importado).

Outro ponto (não citado) é que depois do embate diplomático com a França (um player g5 da Onu e potência nuclear), parece que o governo brasileiro andou analisando alguns relatórios do MD e talvez possa retomar o desenvolvimento de propulsores nucleares e, enfim, concluir seu submarino que está sendo construído há décadas em Iperó.
 

LucianoBraga

Moderador
Membro STAFF
Mensagens
34.868
Reações
123.916
Pontos
834
País desse tamanho, cheio de espaços economicamente inúteis, afastados de tudo e sem cidades ao redor, sem produção de absolutamente nada, sem terremotos, sem furacões...devia ter um monte de usinas nucleares. Mas não, o negócio é ficar torcendo pra chover.

:klol
 

ptsousa

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
48.662
Reações
133.830
Pontos
814
País desse tamanho, cheio de espaços economicamente inúteis, afastados de tudo e sem cidades ao redor, sem produção de absolutamente nada, sem terremotos, sem furacões...devia ter um monte de usinas nucleares. Mas não, o negócio é ficar torcendo pra chover.

:klol
Sempre pensei nisso.

Provavelmente, o Brasil é o lugar mais seguro do mundo, geograficamente falando, para se ter uma usina nuclear.
 

HuezinXD

Bam-bam-bam
Mensagens
8.911
Reações
8.770
Pontos
353
Um bagulho que eu não entendo é como o Brasil nesse tempo todo não chegou a fazer uma nuke. Até a África do Sul entre os anos 70 e 80 chegou a ter algumas em seu arsenal. Alguém saberia dizer o quão perto o Brasil chegou para fazer uma?
Constituição.
 

Maladino

Bam-bam-bam
Mensagens
6.060
Reações
6.716
Pontos
459
Um bagulho que eu não entendo é como o Brasil nesse tempo todo não chegou a fazer uma nuke. Até a África do Sul entre os anos 70 e 80 chegou a ter algumas em seu arsenal. Alguém saberia dizer o quão perto o Brasil chegou para fazer uma?
O problema é político, não é só chegar e fazer. Tem resolução assinadas e políticas internacionais que impedem a pesquisa e desenvolvimento desse tipo de armamento e tomar passos em direção a isso pode custar muito mais dinheiro e poder internacional ao país do que o que ganharíamos com um arsenal nuclear.

Quem conseguiu ter armamento nuclear ou pegou um momento certo ou tinha tão pouco a perder que teve sucesso.

Sobre o quão perto, ou longe, chegamos: https://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_Nuclear_Paralelo
 
Topo