O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


Demotivational Posters [Todos os gostos e utilidades] [-3G]

Giant Enemy Crab

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
21.546
Reações
48.482
Pontos
553
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.
Os únicos humanos que tem liberdade plena são os que não tem absolutamente mais nada a perder.

tetando da estação Kisaragi, via tetatalk
 




ptsousa

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
49.202
Reações
135.796
Pontos
814
Inclusive o meu foi EXATAMENTE assim:

No 2° ano do ensino médio uma colega que estudei desde o 3° ano do fundamental juntos fez essa posição para falar com o professor e se debruçou com aquela raba gigante na mesa. Adivinhem quem sentava exatamente alí? Eu mesmo. E ela rebolava pra lá e pra cá enquanto tirava dúvidas sobre uma prova ou trabalho, não lembro. Eu tava olhando o meu caderno (ou trabalho, não lembro) e do nada os outros colegas: Olha ali o ROLGENIO hipnotizado pelo rabo da Cris! E foi aquela zuera, obviamente. E aí sim que eu não podia mais olhar de tanta vergonha. Devo ter ficado vermelho igual a um pimentão.

:klol

Mais de 15 anos que não via ela e quando eu trabalhava de Uber eu peguei ela como passageira um dia. Comentamos sobre a vida e tudo o que fizemos até a época. Depois quando ela desceu do carro e eu revi aquela raba gigante eu lembrei da história do colégio.

:klolwtf:ksafado
Comigo aconteceu algo semelhante mas com os peitão :klolz
 

-=|R.R.|=-

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
36.084
Reações
91.723
Pontos
814
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.

Vou esperar a trilogia sair nos cinemas.
 

SandroJ

Bam-bam-bam
Mensagens
586
Reações
3.660
Pontos
294
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.
.


Enviado de meu SM-G935F usando o Tapatalk
 

SandroJ

Bam-bam-bam
Mensagens
586
Reações
3.660
Pontos
294
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.
.


Enviado de meu SM-G935F usando o Tapatalk
 

SandroJ

Bam-bam-bam
Mensagens
586
Reações
3.660
Pontos
294
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.
.


Enviado de meu SM-G935F usando o Tapatalk
 

Maladino

Bam-bam-bam
Mensagens
6.258
Reações
7.311
Pontos
459
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.
É disso que esse tópico de memes em um fórum de jogos precisa.

Por mais blocos de texto moralistas de sociologia.
 

Berofh Erutron

Bam-bam-bam
Mensagens
8.575
Reações
6.657
Pontos
444

Senhor...

Sério to rindo, rindo de chorar. :kkk

Eh que é que eu tive um cacho e levei nas dunas uma vez e aconteceu algo parecido, aeuhaeuhaeuhue seis não tem ideia, o bichinho fica com uma cara que de quem chegou no mundo agora, :kkkisso que o meu só deu duas voltas ou três. Mas esse aí só falta a musica do pião do baú.
 

Maladino

Bam-bam-bam
Mensagens
6.258
Reações
7.311
Pontos
459
Se analisar bem, é um textão com um quê de desmotivacional, então pode-se dizer que está no tópico certo

Enviado de meu Moto G (5) Plus usando o Tapatalk
Nem é. Demotivational poster é um tipo de meme que meio que morreu.

E a ideia do meme era exatamente avacalhar moralismo, auto estima, reflexões sérias e etc.

Então, nesse sentido, bater no post tá mais certo do que o próprio post. :klol

Alias, em memória de um formato que morreu. /salute

87973
 

Raikage4269

Bam-bam-bam
Mensagens
1.374
Reações
2.446
Pontos
303
Nem é. Demotivational poster é um tipo de meme que meio que morreu.

E a ideia do meme era exatamente avacalhar moralismo, auto estima, reflexões sérias e etc.

Então, nesse sentido, bater no post tá mais certo do que o próprio post. :klol

Alias, em memória de um formato que morreu. /salute

Visualizar anexo 87973
Yeah. Eu sei man.
É que eu tava tentando levar mais pro lado literal do termo desmotivacional do que pro conceito de desmotivational post, que, ironicamente, são bem diferentes nesse caso

Enviado de meu Moto G (5) Plus usando o Tapatalk
 

MobiusRJ

Bam-bam-bam
Mensagens
9.325
Reações
13.629
Pontos
384
Estava fazendo uma reflexão sobre a liberdade, razão de existir e a natureza humana. Passamos em média 10 anos em uma instituição de ensino e cerca de 18 anos sob a tutela de nossos pais, ambos direcionando nossos caminhos e condicionando o meio para acontecer o que eles desejam. Concluo que não existe livre arbítrio, pois somos condicionados por muito tempo e só um desligamento total dos valores sociais - coisa rara - seria capaz de gerar uma ação mais independente, a qual ainda não seria 100% livre de influência. Se não temos livre arbítrio, logo não temos liberdade. Uma pessoa insatisfeita é um ponto fora da curva, algo em torno de 8% da população. Essa pessoa será submetida pela força dos 92% e condicionada igualmente. Com o aumento da população, do acesso à internet, da produção da indústria cultural de massas, tudo fica mais insuportável e perdemos nossos valores tradicionais. E do que trata a tradição? Por ser milenar e acolher a opinião dos longevos, apresenta um rico índice das virtudes humanas e sua natureza, assim como orientações sobre a melhor convivência em sociedade, sem sofrimento e dor. Sim, a tradição também é uma forma de minar nossa liberdade individual, mas é benéfica. O que acontece quando minamos nossa liberdade individual para uma cultura podre e homogênea que está surgindo no mundo? Bilhões de pessoas falando a mesma língua, seguindo os mesmos valores, fazendo as mesmas coisas e vivendo miseravelmente, ou seja, vivendo a miséria da falta de significância e de espaço, vivendo sob a lógica da economia compartilhada, das invenções de novos modelos de consumo e nada que realmente nutra o ser humano de espírito e lhe dê significado. Vai chegar um tempo em que o ser humano não declarará guerra por sentir fome, necessidade de espaço ou de respeito, mas pela necessidade de significado, poder e protagonismo existencial. Chegará o tempo em que o homem irá dizer que o inferno são os outros e desejará a morte de seus irmãos. Não somos índios iludidos com bugigangas portuguesas e cortando pão Brasil, mas a eles nos assemelhamos quando nos deparamos diante da tecnologia e da internet. As pessoas esqueceram que o dia tem 24 horas. Glorificam um Deus chamado dinheiro; cultuam a tela de um celular. Acham que ver fotos de paisagens bonitas de montanhas na Noruega ou paisagens de qualquer lugar natural tornam a experiência válida, esquecendo a triste miséria da jornada de trabalho e as limitações impostas pela economia. Um triste engano. Mas essa pessoa pode ao menos ver um paisagem natural no seu país? Não, a aquisição de terras está se tornando cada vez mais difícil, assim como a aquisição de imóveis. O ser humano moderno tem que se contentar com 8 horas de trabalho, 8 para dormir, 4 para se transportar, fazer suas necessidades, tomar banho e se arrumas, sobrando - com sorte - 4 horas para fazer algo do seu interesse depois de um dia cansado. Resumindo:

  • O aumento populacional proporcionado pela medicina aumentou o número de pessoas, tendo como consequência a maior demanda por terra e imóveis, aumentando o preço dos mesmos.
  • O preço de gasolina está nas alturas. Tá difícil até para fazer uma excursão para ir e voltar no mesmo dia.
  • O ser humano se considera livre, mas a maioria passa mais tempo de vida cagando e tomando banho do que propriamente fazendo uma viagem.
  • A pessoa nasce e morre no mesmo lugar em que nasceu, assim como um camponês, mas hoje tem a ilusão de que a terra é plena e os horizontes menos distantes porque pode ver girafas africanas no Smartphone.
Não sei se alguém aqui tem curiosidade de olhar as lojas num shopping ou no mercado em geral. Visito sempre algumas capitais e fico vendo a enorme quantidade de empreendimentos sendo abertos e muitos até estáveis e com tradição. E o que me surpreende mais são esses empreendimentos de programadores e na área de tecnologia em geral. A falta de significado está tão grande que um dia desses vi um "empreendedor" me dizendo ter pensado em desenvolver um jogo para ser apreciado no momento em que a pessoa está cagando no banheiro. Não, isso não é mentira nem brincadeira. As pessoas não lutam mais por comida e água, mas por ter um significado e utilidade nesse mundo. Daqui a pouco, eu não duvido estarem criando robôs para carregar suas compras, hardware para limpar sua bunda e outras inutilidades. Ao meu ver, a escravidão não deixou de existir. O escravo só não sabe que é escravo e agora pode fazer compras. Eu não sou comunista nem fodido financeiramente e vivo muito bem, mas tá aí a verdade sobre a tecnologia e seus malefícios.
Tipo errrr, hããã...

Foda-se!

Enviado de meu Redmi 5 Plus usando o Tapatalk
 
Topo