O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


OS Books [+reading now]



Shyn

Bam-bam-bam
Mensagens
1.401
Reações
1.654
Pontos
203
Passando só pra lembrar que hoje termina a promoção do kindle unlimited da amazon por R$1,99 por 3 meses.
 

MrMojo

Habitué da casa
Mensagens
411
Reações
107
Pontos
84
84602

Já ouvi falar tão bem desse livro que... vou ter que ler. Começando agora.
Dizem que é um dos melhores suspenses já escritos. Veremos.

"No verão de 1954, o xerife Teddy Daniels chega a Shutter Island com seu novo parceiro Chuck Aule. A dupla deverá investigar a fuga de uma interna do Hospital Psiquiátrico Ashecliffe, reservado a pacientes criminosos. Sem deixar vestígios, a assassina Rachel Solando escapou descalça de um quarto vigiado e trancado à chave. Os médicos, funcionários e enfermeiras da instituição não parecem dispostos a colaborar com a investigação. E as mentiras vêm diretamente do enigmático médico-chefe do hospital. O desaparecimento de Rachel traz à tona uma série de suspeitas sobre o hospital: com suas cercas eletrificadas e guardas armados, talvez ele não seja apenas mais um sanatório para criminosos. Surgem rumores de que uma abordagem radical e violenta da psiquiatria seria lá praticada - as suspeitas incluem desde terríveis experiências com drogas e cirurgias experimentais, até o desenvolvimento de instrumentos a serem usados na Guerra Fria. Enquanto isso, um furacão se aproxima da ilha, precipitando uma revolta entre os presos. Quanto mais perto da verdade Teddy e Chuck chegam, mais enganosa ela se torna" (resumo da Amazon)
 

Niko

Bam-bam-bam
Mensagens
6.530
Reações
5.280
Pontos
354

Helena de Machado de Assis

Uau. Senhores, que obra. Estou extasiado aqui, livro muito bom. É um livro da era mais romantista, até naturalista do Machado, então não traz elementos realistas ou desgraças mais latentes. Mas mesmo assim, traz todas as complicações extremamente originais e criativas do autor numa obra que tem um desenlace bem pouco previsível e invoca quem tá lendo a ler quase que compulsivamente por causa de sua trama. Amei. Tem uma escrita bem mais simples que suas obras mais consagradas (as realistas), então bem acessível a todo tipo de público; e com o padrão Machado de Assis, em que uma palavra traz consigo vários indicadores, vários sentidos, inúmeros adjetivos, trazendo uma concisão enorme, bem objetivo e direto ao ponto.

O livro traz uma história excelentemente amarrada e surpreendente; o foco é em poucos personagens, não se abre o leque para vasta gama de personagens como visto em outras obras dele e isso dá mais objetividade ainda, um texto coeso e mais proximidade com os personagens. Narrado de forma bem padrão em 3ª pessoa, os textos são menos vistos e o livro dá um grande espaço aos diálogos, que são sempre muito deliciosos e transmitem de uma forma muito carismática os personagens que se apresentam, todos muito agradáveis de acompanhar de querer saber mais, precipuamente nesse caso a protagonista que leva o nome do livro, que é sempre muito bem descrita pelo autor. E como disse anteriormente quando li Dom Casmurro, esse é um dos principais motivos, junto com a criatividade e histórias sensacionais do escritor que tenho o autor como meu preferido. Particularmente gosto de uma história bem contada, e aí vale pra qualquer tipo de mídia, filmes, séries, quadrinhos e mangás, e em livros não é diferente; mas nos livros do machado ele traz um elemento a mais fora as narrativas sensacionais, que são as mulheres e a forma como ele descreve trazendo muito carisma, são meigas, bonitas, perspicazes, interessantes e basicamente tudo aquilo que um homem deseja. Nesse livro não poderia ser diferente, a protagonista é um deleite, uma mulher orgulhosa e inteligente, mesmo vindo de estratificações mais baixas. E, claro bem enigmática, que traz mais atenção ainda.

Sobre a narrativa, o autor dá um tom extremamente implícito, oculto e enigmático que não sabemos nunca para onde tudo irá se seguir e apenas torcemos para alguns caminhos, que sabemos difíceis de acontecer. Muito diálogos e narrações bem nas entrelinhas, um leitor menos contido, como eu, pode tirar conclusões bastante precipitadas no decorrer da história (não foi o meu caso, felizmente acabei acertando ponto crucial da história) e pender a coisas mais proibidas, mais desejadas. Traz assuntos de difíceis compreensão para época que foi publicado em 1876, seja pela rigidez, seja pelo conservadorismo e que nos dias de hoje seriam tratados com menos neura. O leitor lê o livro sempre com um pé atrás, sem ter noção muito do que quer que aconteça ou que irá acontecer, pois os sentidos são muito duplos, muita ambiguidade. No meu caso sempre gosto de pegar um livro ou um filme sem saber de NADA da história e descobrir vivendo mesmo ali na hora.

Como já citei, a escrita do Machado é bem mais leve nesse livro, esse sim concordaria em incentivar às crianças a lê-lo no ensino médio (se pode o Dom Casmurro, pode qualquer coisa, e o tom adultero de Memórias Póstumas de Brás Cubas hein), mas ainda assim é um livro censura livre, como sempre. Qualquer pessoa pode ler, nunca vai ter nada explicito não, aliás a ambiguidade é o que dá mais carisma ao livro. A obra conta com bastante diálogos, muitos mesmo e mais pro final alguns diálogos enormes, dignos de monologo. Alias os diálogos são ponto forte do livro, com certeza. Muitos bem rebatedores, bate e volta, argumentativos, bem construídos, inteligentes e que mostravam a cara dos personagens. Não sei porque mas me lembrou muito o Quentin Tarantino, um diretor e roteirista que sabe escrever muito bem diálogos, talvez pelo tom de debate em alguns momentos, geniais.

Assim como visto em suas outras obras, o livro traz menções, seja como for, através de citações, através de conversas, palavras soltas, a outros inúmeros literários abrangidos pela vasta memória e leitura do machado de assis, mas o que me chamou mesmo atenção nesse livro foram as dezenas de citações a varias personalidades e pensamentos implícitos bíblicos e proverbiais. Como Daniel 6, Gênesis 28,12, Mateus 5,13, Êxodo etc, o que demonstra uma verdadeira devoção à religião pelo autor, que usa desses e outros artifícios nos personagens. Não lembro de ter visto muito disso quando vi Dom casmurro que possui um tom extremamente religioso, mas talvez seja porque essa edição que comprei aqui de Helena seja muito bem feita (Penguin e Companhia das Letras), tudo de difícil compressão, citações, menções são explicadas no rodapé pelo pessoal que revisou a obra. Aliás, esse livro contem uma introdução bem longa feita por um dos estudiosos que repassaram o texto que quem tiver comprado o livro não recomendo a leitura dessa introdução, pois contem inúmeros spoilers. Um erro da editora ter colocado no inicio, teria que ser no final do livro. Eu só vi depois que vi todo o livro.

Enfim, recomendo bastante esse livro, tem que ser leitura obrigatória para todo amantes de livros! Já li algumas obras do machado, ainda tenho outras pra ver dele, mas essa daqui tá lá no topo. Deixo um trecho do livro no spoiler:
Trecho em que Estácio, irmão de Helena conversa com a protagonista, ambos em cima de seus cavalos, numa estrada de terra:

''—Valem muito os bens da fortuna, dizia Estácio; eles dão a maior felicidade da Terra, que é a independência absoluta. Nunca experimentei a necessidade; mas imagino que o pior que há nela não é a privação de alguns apetites ou desejos, de sua natureza transitórios, mas sim essa escravidão moral que submete o homem aos outros homens. A riqueza compra até o tempo, que é o mais precioso e fugitivo bem que nos coube. Vê aquele preto que ali está? Para fazer o mesmo trajeto que nós, terá de gastar, a pé, mais uma hora ou quase.
O preto de quem Estácio falara, estava sentado no capim, descascando uma laranja, enquanto a primeira das duas mulas que conduzia, olhava filosoficamente para ele. O preto não atendia aos dois cavaleiros que se aproximavam. Ia esburgando a fruta e deitando os pedaços de casca ao focinho do animal, que fazia apenas um movimento de cabeça, com o que parecia alegrá-lo infinitamente. Era homem de cerca de quarenta anos; ao parecer, escravo. As roupas eram rafadas; o chapéu que lhe cobria a cabeça, tinha já uma cor inverossímil. No entanto, o rosto exprimia a plenitude da satisfação; em todo o caso, a serenidade do espírito.
Helena relanceou os olhos ao quadro que o irmão lhe mostrara. Ao passarem por ele, o preto tirou respeitosamente o chapéu e continuou na mesma posição e ocupação que dantes.
—Tem razão, disse Helena-: aquele homem gastará muito mais tempo do que nós em caminhar. Mas não é isto uma simples questão de ponto de vista? A rigor, o tempo corre do mesmo modo, quer o esperdicemos, quer o economizemos. O essencial não é fazer muita coisa no menor prazo; é fazer muita coisa aprazível ou útil. Para aquele preto o mais aprazível é, talvez, esse mesmo caminhar a pé, que lhe alongará a jornada, e lhe fará esquecer o cativeiro, se é cativo. É uma hora de pura liberdade.''
 


EgonRunner

Bam-bam-bam
Mensagens
8.758
Reações
16.562
Pontos
353



Patriot Games, segundo livro do Ryanverse (até o momento em 27 livros).
leitura relativamente tranquila em inglês, acho que no começo o Tom Clancy não exagerava nos termos técnicos.
 

maedre

Bam-bam-bam
Mensagens
1.590
Reações
3.956
Pontos
303
88841

O livro se propõe a uma (suposta) análise de um policial que se desviou moralmente e cometeu crime. Há também uma ferrenha crítica a polícia enquanto militarizada.
Conforme avança a leitura vc captura aqui e ali certas similaridades com fanfics e isso foi desmotivando.

Quando o personagem inicia uma discussão com Nietzsche, literalmente, acerca do "sistema" que corrompe as pessoas, eu dropei.






88842

Livro doido da poha, Haja imaginação do autor. Muito coisa grotesca, muita obscenidade. Suponho haver uma crítica ao mundo da fama em Hollywood.
 

General Mark

Veterano
Mensagens
406
Reações
1.023
Pontos
133
Terminei semana passada o Fahrenheit 451 do Ray Bradbury, que livro foda! Distopia porém não muito longe da nossa realidade. (nao vou dar spoiler)
Mas tudo que é feito no livro, de certa forma acontece hoje em dia por OUTROS meios.

89107


Comecei essa semana Os Irmãos Karamazov, do Dostoievski. Já li o Crime e Castigo dele e me disseram que esse segue pelo mesmo caminho. Apesar das muitas críticas em cima do autor, gosto do estilo dele. Impressionante como a gente se sente mal de verdade em alguns trechos das obras dele.

89108
 

EgonRunner

Bam-bam-bam
Mensagens
8.758
Reações
16.562
Pontos
353
Cronologicamente Red Rabbit não é o primeiro? É qdo o Clark nem era Clark ainda.
esse aí é Without Remorse, o primeiro da cronologia.

  1. Without Remorse - Starts late 1970 in the aftermath of Hurricane Camille and continues the following spring in 1971. Epilogue is titled "February 12, 1973".
  2. Patriot Games - Begins in 1981 and continues through summer 1982 based on a reference to Ryan's age, which is 31 at the beginning of the novel. Roughly fits with a reference to the Princess of Wales's first child being a boy and a few months old, since Prince William was born in 1982.
  3. Red Rabbit - Presumably starts in the spring of 1982 as Jack Ryan Jr.'s age in the novel is given as 6 months, although the main action explicitly starts on August 15.
 

Caio-mas-levanto

Ser evoluído
Mensagens
87
Reações
116
Pontos
33
Comecei a ler Brisingr nesse fim de semana, livro que compõe o Ciclo A Herança (Eragon).

Por mais que o autor enrole detalhando muito, ainda assim sua escrita é muito boa. Recomendo a leitura.
 

Thomas Shelby

Veterano
Mensagens
591
Reações
977
Pontos
108

Helena de Machado de Assis

Uau. Senhores, que obra. Estou extasiado aqui, livro muito bom. É um livro da era mais romantista, até naturalista do Machado, então não traz elementos realistas ou desgraças mais latentes. Mas mesmo assim, traz todas as complicações extremamente originais e criativas do autor numa obra que tem um desenlace bem pouco previsível e invoca quem tá lendo a ler quase que compulsivamente por causa de sua trama. Amei. Tem uma escrita bem mais simples que suas obras mais consagradas (as realistas), então bem acessível a todo tipo de público; e com o padrão Machado de Assis, em que uma palavra traz consigo vários indicadores, vários sentidos, inúmeros adjetivos, trazendo uma concisão enorme, bem objetivo e direto ao ponto.

O livro traz uma história excelentemente amarrada e surpreendente; o foco é em poucos personagens, não se abre o leque para vasta gama de personagens como visto em outras obras dele e isso dá mais objetividade ainda, um texto coeso e mais proximidade com os personagens. Narrado de forma bem padrão em 3ª pessoa, os textos são menos vistos e o livro dá um grande espaço aos diálogos, que são sempre muito deliciosos e transmitem de uma forma muito carismática os personagens que se apresentam, todos muito agradáveis de acompanhar de querer saber mais, precipuamente nesse caso a protagonista que leva o nome do livro, que é sempre muito bem descrita pelo autor. E como disse anteriormente quando li Dom Casmurro, esse é um dos principais motivos, junto com a criatividade e histórias sensacionais do escritor que tenho o autor como meu preferido. Particularmente gosto de uma história bem contada, e aí vale pra qualquer tipo de mídia, filmes, séries, quadrinhos e mangás, e em livros não é diferente; mas nos livros do machado ele traz um elemento a mais fora as narrativas sensacionais, que são as mulheres e a forma como ele descreve trazendo muito carisma, são meigas, bonitas, perspicazes, interessantes e basicamente tudo aquilo que um homem deseja. Nesse livro não poderia ser diferente, a protagonista é um deleite, uma mulher orgulhosa e inteligente, mesmo vindo de estratificações mais baixas. E, claro bem enigmática, que traz mais atenção ainda.

Sobre a narrativa, o autor dá um tom extremamente implícito, oculto e enigmático que não sabemos nunca para onde tudo irá se seguir e apenas torcemos para alguns caminhos, que sabemos difíceis de acontecer. Muito diálogos e narrações bem nas entrelinhas, um leitor menos contido, como eu, pode tirar conclusões bastante precipitadas no decorrer da história (não foi o meu caso, felizmente acabei acertando ponto crucial da história) e pender a coisas mais proibidas, mais desejadas. Traz assuntos de difíceis compreensão para época que foi publicado em 1876, seja pela rigidez, seja pelo conservadorismo e que nos dias de hoje seriam tratados com menos neura. O leitor lê o livro sempre com um pé atrás, sem ter noção muito do que quer que aconteça ou que irá acontecer, pois os sentidos são muito duplos, muita ambiguidade. No meu caso sempre gosto de pegar um livro ou um filme sem saber de NADA da história e descobrir vivendo mesmo ali na hora.

Como já citei, a escrita do Machado é bem mais leve nesse livro, esse sim concordaria em incentivar às crianças a lê-lo no ensino médio (se pode o Dom Casmurro, pode qualquer coisa, e o tom adultero de Memórias Póstumas de Brás Cubas hein), mas ainda assim é um livro censura livre, como sempre. Qualquer pessoa pode ler, nunca vai ter nada explicito não, aliás a ambiguidade é o que dá mais carisma ao livro. A obra conta com bastante diálogos, muitos mesmo e mais pro final alguns diálogos enormes, dignos de monologo. Alias os diálogos são ponto forte do livro, com certeza. Muitos bem rebatedores, bate e volta, argumentativos, bem construídos, inteligentes e que mostravam a cara dos personagens. Não sei porque mas me lembrou muito o Quentin Tarantino, um diretor e roteirista que sabe escrever muito bem diálogos, talvez pelo tom de debate em alguns momentos, geniais.

Assim como visto em suas outras obras, o livro traz menções, seja como for, através de citações, através de conversas, palavras soltas, a outros inúmeros literários abrangidos pela vasta memória e leitura do machado de assis, mas o que me chamou mesmo atenção nesse livro foram as dezenas de citações a varias personalidades e pensamentos implícitos bíblicos e proverbiais. Como Daniel 6, Gênesis 28,12, Mateus 5,13, Êxodo etc, o que demonstra uma verdadeira devoção à religião pelo autor, que usa desses e outros artifícios nos personagens. Não lembro de ter visto muito disso quando vi Dom casmurro que possui um tom extremamente religioso, mas talvez seja porque essa edição que comprei aqui de Helena seja muito bem feita (Penguin e Companhia das Letras), tudo de difícil compressão, citações, menções são explicadas no rodapé pelo pessoal que revisou a obra. Aliás, esse livro contem uma introdução bem longa feita por um dos estudiosos que repassaram o texto que quem tiver comprado o livro não recomendo a leitura dessa introdução, pois contem inúmeros spoilers. Um erro da editora ter colocado no inicio, teria que ser no final do livro. Eu só vi depois que vi todo o livro.

Enfim, recomendo bastante esse livro, tem que ser leitura obrigatória para todo amantes de livros! Já li algumas obras do machado, ainda tenho outras pra ver dele, mas essa daqui tá lá no topo. Deixo um trecho do livro no spoiler:
Trecho em que Estácio, irmão de Helena conversa com a protagonista, ambos em cima de seus cavalos, numa estrada de terra:

''—Valem muito os bens da fortuna, dizia Estácio; eles dão a maior felicidade da Terra, que é a independência absoluta. Nunca experimentei a necessidade; mas imagino que o pior que há nela não é a privação de alguns apetites ou desejos, de sua natureza transitórios, mas sim essa escravidão moral que submete o homem aos outros homens. A riqueza compra até o tempo, que é o mais precioso e fugitivo bem que nos coube. Vê aquele preto que ali está? Para fazer o mesmo trajeto que nós, terá de gastar, a pé, mais uma hora ou quase.
O preto de quem Estácio falara, estava sentado no capim, descascando uma laranja, enquanto a primeira das duas mulas que conduzia, olhava filosoficamente para ele. O preto não atendia aos dois cavaleiros que se aproximavam. Ia esburgando a fruta e deitando os pedaços de casca ao focinho do animal, que fazia apenas um movimento de cabeça, com o que parecia alegrá-lo infinitamente. Era homem de cerca de quarenta anos; ao parecer, escravo. As roupas eram rafadas; o chapéu que lhe cobria a cabeça, tinha já uma cor inverossímil. No entanto, o rosto exprimia a plenitude da satisfação; em todo o caso, a serenidade do espírito.
Helena relanceou os olhos ao quadro que o irmão lhe mostrara. Ao passarem por ele, o preto tirou respeitosamente o chapéu e continuou na mesma posição e ocupação que dantes.
—Tem razão, disse Helena-: aquele homem gastará muito mais tempo do que nós em caminhar. Mas não é isto uma simples questão de ponto de vista? A rigor, o tempo corre do mesmo modo, quer o esperdicemos, quer o economizemos. O essencial não é fazer muita coisa no menor prazo; é fazer muita coisa aprazível ou útil. Para aquele preto o mais aprazível é, talvez, esse mesmo caminhar a pé, que lhe alongará a jornada, e lhe fará esquecer o cativeiro, se é cativo. É uma hora de pura liberdade.''
Parabéns cara, agora me deu uma vontade absurda de ler esse livro kkk. Achei o diálogo sensacional, mto tarantino mesmo, só falta a violência gratuita em seguida xP.
 

Thomas Shelby

Veterano
Mensagens
591
Reações
977
Pontos
108
Lendo atualmente: Amar, verbo intransitivo. Comprei ele nos tempos do vestibular, era leitura obrigatória mas nunca tinha chegado a ler. Achei meio fraco na real, autor dialoga muito com o leitor e isso me irrita às vezes, mas não é ruim não.
 

Giant Enemy Crab

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
22.377
Reações
50.809
Pontos
553
faz tempo que não posto aqui, mas sou obrigado a recomendar:

O Instituto - Stephen King
「o instituto stephen king」の画像検索結果



Esse livro é facil um dos melhores que li esse ano, e olha que li livro pra caralho esse ano. heheh.



Uma breve sinopse por mim mesmo sem spoiler:
Um menino genio de 12 anos, moleque super normal, tirando a inteligencia. Ele conseguiu entrar em 2 universidades com 12 anos. É sequestrado e seus pais são assassinados. Ele é dopado e levado até o outro lado dos USA, no Maine (sempre o Maine). Ele acorda em um quarto bem parecido com o dele, a diferença que ele esta trancado dentro de um lugar que é chamado de "Instituto".

La dentro há outras crianças. O motivo dele ter sido sequestdado não é por ser um genio, isso é irrelevante para o povo do Institituto, é porque ele é telecinetico. Todas as crianças ali são ou telecinéticos ou telepaticos. Mesmo que em grau leve.

Dentro do Instituto a parte de "moradia" das crianças é um sistema de merecimento por moedas. "Se comporte bem e ganha moedas", que podem ser usadas em maquinas pra pgar comidas diferentes (além das "gratis" do refeitório), cigarros e bebidas.
As crianças são submetidas a vários tipos de testes, humilhação e tortura. Para em algum momento breve serem "mandados para Parte de Trás", aonde o que acontece la vai sendo um mistério solucionado pouco a pouco no decorrer do livro. "A Parte da frente" é um preparatório "Pra parte de trás".


A sinopse acima parece um tanto quanto modesta, o livro demora um pouco pra engrenar porque os primeiros 10% dele nem é sobre o Ellis, é sobre o Tom, um ex-policial que ia pegar um avião até Nova York, mas a compania aérea por precisar de algum lugar vago, paga alguns milhares de dolares pra ele pra ele ceder o lugar. Então ele vira um "andarilho sem rumo" e vai parar numa cidadezinha chamada DuPray na Carolina do Norte. Aonde vira Vigilante Noturno. (todas as decisões até aqui dele parecem aleatórias, ele mesmo pontua isso).


Quem conhece Stephen King ja deve ter uma idéia do o porque a história começa com alguém tão aleatório e sem nexo com O Instituto. Stephen king é um genio da escrita, nesse livro ele mostra o porque merece ser chamado de um dos melhores escritores de ficção. O livro é super gostoso de ler, todos os personagens relevantes tem várias camadas. A forma de escrita é super suave. E ele detalha, pelo menos pra mim, as coisas mais importantes de uma história de ficção, os personagens. Não perde dezenas de paginas descrevendo a porcaria da neve no pé de um carinha parado como um autor ingles gordinho e famoso costuma fazer,.
Além da manjesterona que poucos conseguem, é narrar histórias paralelas em locais diferentes ao mesmo tempo, e ainda conseguindo fazer o leitor conseguir de forma automatica criar um paralelo na linha de tempo (como acontece de forma preguiçosa em vários filmes que dividem a tela pra mostrar 2 personagens distintos fazendo coisas distintas durante o mesmo periodo).


Eu não sou chegado em livros protagonizados por crianças. Mas o Ellis aqui por ser genio e gente boa, é muito gostoso de acompanhar sua saga. Pois Stephen King mesmo com todos os pesares que o pequeno protagonista passa em sua jornada, em momento algum esquece que o personagem é uma criança de 12 anos, um genio xadrezista, mas ainda sim uma criança de 12 anos atormentada e sentimentalmente abalada.

Stephen King consegue até mesmo deixar um personagem que só vai aparecer bem no epilogo, um tanto quanto "amedontrador" (isso que o livro todo ele é apenas um telefone embaixo da mesa da chefe do instituto).


Mas nem tudo são rosas, quem não é acostumado com Stephen King pode achar o final um tanto quanto "broxante", principalmente quem gosta de finais "A la Lord of The Rings aonde há uma clara divisão de bem ou mal e uma clara tentativa de ser épico.
Eu particularmente não me incomodei com o final desse, achei bem coerente, não faltou nada, foi até melhor do que eu esperava (principalmente depois de ter lido Sob A Redoma, A Grande Marcha e Insonia, do mesmo autor, 3 livros com finais completamente patéticos).

Fazia tempo que eu não lia + de 200 paginas seguidas só parando pra ir no banheiro. Como eu fiz com a ultima metade desse, entre sabado e domingo de madrugada/.
 
Ultima Edição:

guiracer

Bam-bam-bam
Mensagens
8.061
Reações
5.550
Pontos
434

Terminando aqui, boa demais a história e nos faz pensar em pontos de vista, e que a história é contada pelos vencedores.
 

skydog

Bam-bam-bam
Mensagens
5.444
Reações
5.440
Pontos
353
Terminei semana passada o Fahrenheit 451 do Ray Bradbury, que livro foda! Distopia porém não muito longe da nossa realidade. (nao vou dar spoiler)
Mas tudo que é feito no livro, de certa forma acontece hoje em dia por OUTROS meios.

Visualizar anexo 89107


Comecei essa semana Os Irmãos Karamazov, do Dostoievski. Já li o Crime e Castigo dele e me disseram que esse segue pelo mesmo caminho. Apesar das muitas críticas em cima do autor, gosto do estilo dele. Impressionante como a gente se sente mal de verdade em alguns trechos das obras dele.

Visualizar anexo 89108
Esses Dostoiévski você comprou em ebook? Estou atrás de livros dele - só li O jogador, daquela editora L&PM Pocket - mas na amazon a maioria é com tradução de português de Portugal, e acho um saco!
 

General Mark

Veterano
Mensagens
406
Reações
1.023
Pontos
133
Esses Dostoiévski você comprou em ebook? Estou atrás de livros dele - só li O jogador, daquela editora L&PM Pocket - mas na amazon a maioria é com tradução de português de Portugal, e acho um saco!
Não! Comprei físico mesmo em uma loja de livros usados.
 

komplicado

Bam-bam-bam
Mensagens
1.511
Reações
1.493
Pontos
204
Esses Dostoiévski você comprou em ebook? Estou atrás de livros dele - só li O jogador, daquela editora L&PM Pocket - mas na amazon a maioria é com tradução de português de Portugal, e acho um saco!
Comprei o box da Editora 34 - essa versão é traduzida do Russo. Peguei no submarino essa semana que teve o cupom com 40% de desconto. Veio os livros "Irmãos Karamázov", "O adolescente", "os demônios", "O idiota" e "crime e castigo".
 

Sgt. Kowalski

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
44.360
Reações
94.875
Pontos
989
Me dividindo entre Praetorian of Dorn, onde a Heresia de Horus começa a caminhar para o seu fim, com as primeiras incursões da frota de Horus chegando à Terra.



e Sapiens:

 

solfieri

Bam-bam-bam
Mensagens
1.689
Reações
1.766
Pontos
209


Estou lendo Hyperion, comecei o segundo livro ontem, me surpreendi com o primeiro. No início estava indo devagar e interessante, foi chegando no final a historia teve uma reviravolta e me vi obrigado a começar o segundo.

Me dividindo entre Praetorian of Dorn, onde a Heresia de Horus começa a caminhar para o seu fim, com as primeiras incursões da frota de Horus chegando à Terra.



e Sapiens:

Tenho vontade de entrar no Universo de Warhammer, mas nunca pesquiso por onde começar.
 

Sgt. Kowalski

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
44.360
Reações
94.875
Pontos
989
Tenho vontade de entrar no Universo de Warhammer, mas nunca pesquiso por onde começar.
Warhammer 40k é como crack, depois que vc entra, não para mais.
Somando os dois acima, eu estou batendo em 20 livros lidos esse ano. Metade são de Warhammer.

eu recomendo cair de leve no lore pra vc se habituar mais antes de partir pra coisas ÉPICAS E GLORIOSAS como a Horus Heresy.

Vc pode começar por livros fechados como:



aqui são os Space Marines retratados de forma crua.

Vc pode pegar o clássico definidor da Guarda Imperial, que são os compendios da Tanith First and Only.



Começando por aí, vc começa bem.
 

solfieri

Bam-bam-bam
Mensagens
1.689
Reações
1.766
Pontos
209
Warhammer 40k é como crack, depois que vc entra, não para mais.
Somando os dois acima, eu estou batendo em 20 livros lidos esse ano. Metade são de Warhammer.

eu recomendo cair de leve no lore pra vc se habituar mais antes de partir pra coisas ÉPICAS E GLORIOSAS como a Horus Heresy.

Vc pode começar por livros fechados como:



aqui são os Space Marines retratados de forma crua.

Vc pode pegar o clássico definidor da Guarda Imperial, que são os compendios da Tanith First and Only.



Começando por aí, vc começa bem.
Obrigado.
 

Agito

Bam-bam-bam
Mensagens
4.509
Reações
16.189
Pontos
303
94847

O livro bate muito nesse negócio de cultura viking e bom, os vikings eram uns merdas covardes. Sem falar que os diálogos e tudo ali tem um ar meio forçado do tipo que deve ser foda na cabeça do autor, mas na prática é bem mais ou menos.

Dropei depois da metade.
 

Tyler_Durden

Ser evoluído
Mensagens
18
Reações
39
Pontos
23
95386

Aproveitando, recentemente terminei de ler esse magnifico livro Memórias Póstumas de Brás Cubas. Acho difícil ter alguém q nunca leu essa obra prima, mas super recomendo. A edição q comprei é essa 'edição exclusiva da Amazon' que ficou muito bem feita, capa dura e desenhos do Cândido Portinari, gostei bastante.
 

guiracer

Bam-bam-bam
Mensagens
8.061
Reações
5.550
Pontos
434
Sou fissurado no canal Discovery ID e na série Mind Hunter, apesar de achar macabro, confesso que o tema Serial Killer atiça a minha curiosidade, pesquiso sobre os mais famosos, o Modus Operandi, a motivação, o passado do psicopata, a rota que ele fez, como ele foi preso, pesquiso sobre as vítimas, enfim, pra quem gosta do assunto recomendo fortemente este livro, tem histórias ali macabras demais, recomendo ler com o celular do lado, cada caso me fez pesquisar sobre o assassino na Internet, bem legal mesmo.
 

Agito

Bam-bam-bam
Mensagens
4.509
Reações
16.189
Pontos
303
Então vc não acha q vale a pena? Tava pensando em ler esse ae
Depende, se vc curte cultura viking e talz, acho que vale a pena. O livro é baseado em eventos históricos da época em que os filhos do Ragner (protagonista da série vikings) resolveram invadir a Bretanha pra vingar seu pai (na verdade eles queriam era mesmo tocar o puteiro e encher os bolsos). No meio desse cenário está o jovem Angus acompanhando seu pai, o líder Seawolf, onde os dois vão descobrir que nem tudo é questão de honra e coragem. Como falei, os diálogos não são tão bons (opinião pessoal minha), mas as lutas são bem legais. Tanto no que diz lutas um contra um e batalhas de maior escala (exércitos), se vc curte um combate mais tático, vc vai gostar.

Se quiser, te vendo a minha cópia por R$10,00 e faço Mercado Livre. Novo ele sai por por uns R$25,90.
 
Topo