O que há de Novo?
  • Novo tema VIP está disponível
    Visitante, um novo tema com fundo escuro agora está disponível para aqueles que contribuíram com doações ao fórum e têm o status VIP. Veja os detalhes aqui.


<<RPG'S - Tópico Oficial>>

Ultima Weapon

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
16.771
Reações
15.126
Pontos
629
2018 rpgisticamente foi bom aqui, finalizei 19 deles sendo 12 no PS4, 5 no Switch, 1 em PC e 3DS.

Meu grande titulo do ano foi Planescape Torment Enhanced Edition, uma promessa antiga de jogatina e que me levou a conhecer o também ótimo Torment Tides of Numenera. Outros que gostei muito foram FFXII Zodiac, Xenoblade 2 e Octopath Traveler.
Joguei alguns títulos mais fracos esse ano e destaco Tera, Nights of Azure e Exist Archive.

Backog é pequeno e em 2019 ainda não enxergo muitos títulos promissores, como terei menos tempo então a meta é chegar em 12.

Tô com Valkyria 4 (Switch), Shadowrun Returns (PC) e Assassins Creed Odyssey (PS4) em andamento.
Senhores, FFXIII-2 e FFX-X2 que estão em promoção na PSN pra PS3 são legais?

Lembro que joguei o primeiro FF13 logo quando saiu e achei bem ruim nas primeiras horas... O mesmo pro X no PS2.

Há alguma outro bacana com desconto atualmente que vocês indicam?

Enviado de meu Mi A2 Lite usando o Tapatalk
São legais sim porém faz pouco sentido jogar XIII-2 sem o primeiro e se não gostou do X no PS2 então nada garante que será diferente no PS3, é o mesmo jogo.
 


topo

Habitué da casa
Mensagens
138
Reações
176
Pontos
63
Meu 2018 em termos de RPG foi razoável, de 17 jogos finalizados 9 podem ser considerados RPG(Forçando um pouco em Zelda e Nier).

PC:
  • Battlefield 1
  • Titanfall 2
  • NI NO KUNI 2
  • FF12
  • FF10
  • ZELDA
  • ASSASSINS ORIGINS
  • WORLD OF FF
  • DRAGONS DOGMA
  • RISE OF TOMB RAIDER
  • NIER
  • DOOM
  • ORI
  • Dragon Quest 11
PS4:
  • Beyond Two Souls
  • GODOFÓ
  • Diablo 3
 

Léo Stanbuck

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
30.928
Reações
27.489
Pontos
859
Não tive um 2018 forte em JRPGs. Muita coisa pra fazer na vida, e muito pouco tempo. Fora que o Xbox One me deu oportunidade de jogar outros gêneros.

Do que joguei segue a lista e opiniões:

DS
The World Ends With You foi uma grata surpresa. Ainda que eu não tenha gostado da jogabilidade, o jogo em si é uma produção da mais alta qualidade. Trilha sonora, arte e história muito boas, além de bons personagens. Com certeza um must play do DS.
Dragon Ball Z Attack of the Sayans foi outro que me surpreendeu. Melhor jogo de DBZ que já joguei, superando aquele RPG do Snes que era bem legal.
Dragon Quest IV foi meio decepcionante, mas ainda valeu a pena. O jogo em si tem suas qualidades, mas é tão monótono e sem sal que foi arrastado terminar ele. No fim das contas dei uma rushada.

PSP
Legend of Heroes Songs of the Ocean bonitinho mas ordinário. Segue a qualidade mediana da trilogia. Ainda que os personagens e a história sejam bem trabalhadas, o sistema de combate e evolução deixam muito a desejar. No fim me arrastei nele por causa da jogabilidade.
Brandish Grata surpresa do PSP. Não esperava muito e no fim foi um dungeon crawler de qualidade. Mais uma boa pedida da Falcom, com ótima trilha sonora e desafio bem interessante. A duração também é boa, fazendo com que não dê de enjoar, ainda que tenha umas duas dungeons chatas.
Shin Megami Tensei Persona foi uma experiência interessante. Foi legal ver a primeira entrada da série. A história e ambientação me surpreendeu, demonstrando um ar menos colegial comparado ao que eu vi no Persona 4 e 3. Gostei também da trilha sonora e das dungeons, ainda que eu não tenha feito a quest da rainha de gelo lá. Bem melhor do que o Persona 2 que acabei dropando por causa da jogabilidade.
Parasite Eve esse foi um jogo que eu queria muito jogar e finalmente pude fazer no PSP. O jogo em si é realmente MUITO BOM. Fiquei fascinado por tudo que vi nele e, ainda que eu não tenha gostado de algumas escolhas dos produtores, posso afirmar que é uma Masterpiece do PSX.
Star Ocean First Departure Melhor jogo que joguei no PSP este ano. Esperava um RPG água com açúcar e recebi um sci-fi misturado com rpg medieval de muita qualidade e jogabilidade deliciosa. Definitivamente foi um dos meus jogos preferidos do ano e uma grata surpresa ao ponto de eu ter engatado o Star Ocean Second Story logo em seguida.

3DS
Bravely Default Foi minha grande decepção do ano. Esperava muito desse jogo, mas no fim achei ele tão repetitivo que no fim não aguentava mais jogar ele. Ainda que tenha qualidade brilhantes, como os personagens, OST e sistema de combate, muitas coisas fazem dele um jogo mediano com pontas de brilhantismo. Uma pena, realmente uma grande tristeza que senti depois que passei das 40 horas de jogo. Cheguei um momento que eu pensei seriamente em dropar...
Fire Emblem Conquest e Birthright Ainda que tenha me decepcionado são 2 fire emblems com boa jogabilidade. Piores que o Awakening, mas ainda sim bons jogos. Destaco o Conquest, do qual considero melhor jogo.
Shin Megami Tensei Devil Survivor 2 Melhor jogo que joguei na plataforma, ainda estou fazendo os vários finais mas já terminei ele uma vez e quase terminando a segunda. Pior do que o primeiro, Devil Survivor 2 não é um frescor ou uma versão melhorada da série, mas sim uma repetição meio enjoada. A história tem seus momentos animadores, mas no geral é inferior ao primeiro. Ainda sim está longe de ser um jogo fraco. Devil Survivor 2 não era o que eu esperava, mas minhas expectativas vinham do que considero o melhor jogo do 3DS até o momento. Vale bastante a jogatina dele.

Vita
Ys Memories of Celceta Este foi um ano que joguei pouco Vita (ainda que os jogos que estou mais avançado para terminar são do Vita), mas com certeza Ys Memories of Celceta se destaca. Mais uma grande entrada da série, com grande qualidade em praticamente tudo que me interessa. Os gráficos meio "aguados" ou algumas percas da jogabilidade pouco me interessaram... definitivamente este está lá em cima dos melhores do Vita até o momento, e duvido sair.
I Am Setsuna decepcionante é o que posso dizer dele. Ainda que eu saiba que a versão Vita tenha problemas sérios para rodar o jogo, isso não me importou. O que não gostei foi a jogabilidade demorada e alguns erros de enredo que não me animaram. Valeram a jogatina, e até recomendo ele, mas não diria que é uma luz dentro do estilo.

PS3
Final Fantasy 9 Jogão que pude apreciar junto de minha esposa. Nunca havia terminado ele na época e pude agora. Definitivamente é mais um ótimo jogo da série, mas ainda considero inferior ao 7 por conta da jogabilidade. Interessante trazer os traços da franquia (classes etc) mas sinto que sua jogabilidade truncada cansa depois de um tempo. De resto, é uma pérola que merece ser jogada por qualquer apreciador do estilo.

Xbox One
Knights Of The Old Republic Único RPG ocidental que joguei no ano, pude finalmente apreciar essa antiga pérola e caras, QUE JOGO. Bioware em seu melhor ali, para fãs de Star Wars então é um prato cheio! Apesar de algumas coisas ultrapassadas na jogabilidade, e algumas partes chatas (sempre nas cidades), o jogo tem mérito de fazer a pessoa poder jogar finalmente um jogo com boa história de Star Wars e desvendar os caminhos da força. Definitivamente depois de jogar KOTOR me deu mais vontade de ver um dia um KOTOR 3, mesmo que online, mas trazendo o mundo de Star Wars e o esplendor dos RPGs no seu mais alto nível.
 

ValenS

Bam-bam-bam
Mensagens
9.034
Reações
6.709
Pontos
424
Comecei o SAO Fatal Bullet no PC, o anime dessa temporada me deixou com vontade. Mas estou achando o jogo bem ruinzinho, o gunplay é sofrível e tem excesso de diálogos inúteis.
 

T.Chico

Bam-bam-bam
Mensagens
6.889
Reações
9.487
Pontos
384
Não tive um 2018 forte em JRPGs. Muita coisa pra fazer na vida, e muito pouco tempo. Fora que o Xbox One me deu oportunidade de jogar outros gêneros.

Do que joguei segue a lista e opiniões:

DS
The World Ends With You foi uma grata surpresa. Ainda que eu não tenha gostado da jogabilidade, o jogo em si é uma produção da mais alta qualidade. Trilha sonora, arte e história muito boas, além de bons personagens. Com certeza um must play do DS.
Dragon Ball Z Attack of the Sayans foi outro que me surpreendeu. Melhor jogo de DBZ que já joguei, superando aquele RPG do Snes que era bem legal.
Dragon Quest IV foi meio decepcionante, mas ainda valeu a pena. O jogo em si tem suas qualidades, mas é tão monótono e sem sal que foi arrastado terminar ele. No fim das contas dei uma rushada.

PSP
Legend of Heroes Songs of the Ocean bonitinho mas ordinário. Segue a qualidade mediana da trilogia. Ainda que os personagens e a história sejam bem trabalhadas, o sistema de combate e evolução deixam muito a desejar. No fim me arrastei nele por causa da jogabilidade.
Brandish Grata surpresa do PSP. Não esperava muito e no fim foi um dungeon crawler de qualidade. Mais uma boa pedida da Falcom, com ótima trilha sonora e desafio bem interessante. A duração também é boa, fazendo com que não dê de enjoar, ainda que tenha umas duas dungeons chatas.
Shin Megami Tensei Persona foi uma experiência interessante. Foi legal ver a primeira entrada da série. A história e ambientação me surpreendeu, demonstrando um ar menos colegial comparado ao que eu vi no Persona 4 e 3. Gostei também da trilha sonora e das dungeons, ainda que eu não tenha feito a quest da rainha de gelo lá. Bem melhor do que o Persona 2 que acabei dropando por causa da jogabilidade.
Parasite Eve esse foi um jogo que eu queria muito jogar e finalmente pude fazer no PSP. O jogo em si é realmente MUITO BOM. Fiquei fascinado por tudo que vi nele e, ainda que eu não tenha gostado de algumas escolhas dos produtores, posso afirmar que é uma Masterpiece do PSX.
Star Ocean First Departure Melhor jogo que joguei no PSP este ano. Esperava um RPG água com açúcar e recebi um sci-fi misturado com rpg medieval de muita qualidade e jogabilidade deliciosa. Definitivamente foi um dos meus jogos preferidos do ano e uma grata surpresa ao ponto de eu ter engatado o Star Ocean Second Story logo em seguida.

3DS
Bravely Default Foi minha grande decepção do ano. Esperava muito desse jogo, mas no fim achei ele tão repetitivo que no fim não aguentava mais jogar ele. Ainda que tenha qualidade brilhantes, como os personagens, OST e sistema de combate, muitas coisas fazem dele um jogo mediano com pontas de brilhantismo. Uma pena, realmente uma grande tristeza que senti depois que passei das 40 horas de jogo. Cheguei um momento que eu pensei seriamente em dropar...
Fire Emblem Conquest e Birthright Ainda que tenha me decepcionado são 2 fire emblems com boa jogabilidade. Piores que o Awakening, mas ainda sim bons jogos. Destaco o Conquest, do qual considero melhor jogo.
Shin Megami Tensei Devil Survivor 2 Melhor jogo que joguei na plataforma, ainda estou fazendo os vários finais mas já terminei ele uma vez e quase terminando a segunda. Pior do que o primeiro, Devil Survivor 2 não é um frescor ou uma versão melhorada da série, mas sim uma repetição meio enjoada. A história tem seus momentos animadores, mas no geral é inferior ao primeiro. Ainda sim está longe de ser um jogo fraco. Devil Survivor 2 não era o que eu esperava, mas minhas expectativas vinham do que considero o melhor jogo do 3DS até o momento. Vale bastante a jogatina dele.

Vita
Ys Memories of Celceta Este foi um ano que joguei pouco Vita (ainda que os jogos que estou mais avançado para terminar são do Vita), mas com certeza Ys Memories of Celceta se destaca. Mais uma grande entrada da série, com grande qualidade em praticamente tudo que me interessa. Os gráficos meio "aguados" ou algumas percas da jogabilidade pouco me interessaram... definitivamente este está lá em cima dos melhores do Vita até o momento, e duvido sair.
I Am Setsuna decepcionante é o que posso dizer dele. Ainda que eu saiba que a versão Vita tenha problemas sérios para rodar o jogo, isso não me importou. O que não gostei foi a jogabilidade demorada e alguns erros de enredo que não me animaram. Valeram a jogatina, e até recomendo ele, mas não diria que é uma luz dentro do estilo.

PS3
Final Fantasy 9 Jogão que pude apreciar junto de minha esposa. Nunca havia terminado ele na época e pude agora. Definitivamente é mais um ótimo jogo da série, mas ainda considero inferior ao 7 por conta da jogabilidade. Interessante trazer os traços da franquia (classes etc) mas sinto que sua jogabilidade truncada cansa depois de um tempo. De resto, é uma pérola que merece ser jogada por qualquer apreciador do estilo.

Xbox One
Knights Of The Old Republic Único RPG ocidental que joguei no ano, pude finalmente apreciar essa antiga pérola e caras, QUE JOGO. Bioware em seu melhor ali, para fãs de Star Wars então é um prato cheio! Apesar de algumas coisas ultrapassadas na jogabilidade, e algumas partes chatas (sempre nas cidades), o jogo tem mérito de fazer a pessoa poder jogar finalmente um jogo com boa história de Star Wars e desvendar os caminhos da força. Definitivamente depois de jogar KOTOR me deu mais vontade de ver um dia um KOTOR 3, mesmo que online, mas trazendo o mundo de Star Wars e o esplendor dos RPGs no seu mais alto nível.
Bravely Default parei com mais de 60 horas ter muitos jobs é excelente, mais demorar uma eternidade para evoluir é foda, inimigos comuns chatos de morrer varais vezes passei o game para o easy para upar depois voltei para o normal desligando os encontros. Se a dificuldade fosse mais equilibrada e sem interferência de funções on-line num game de devia ser totalmente off-line seria um game fantástico.
 

Léo Stanbuck

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
30.928
Reações
27.489
Pontos
859
Bravely Default parei com mais de 60 horas ter muitos jobs é excelente, mais demorar uma eternidade para evoluir é foda, inimigos comuns chatos de morrer varais vezes passei o game para o easy para upar depois voltei para o normal desligando os encontros. Se a dificuldade fosse mais equilibrada e sem interferência de funções on-line num game de devia ser totalmente off-line seria um game fantástico.
Também tive que fazer isso que você fez. E foi um saco. O jogo não é nada fluído, nem com aumento de velocidade nas lutas.
 


king_hyperdyo

A RPG Gamer
VIP
Mensagens
15.070
Reações
4.653
Pontos
519
Tó jogando YS VIII e estou achando sensacional, deu uma Locura e comprei o YS Origin, YS I e II, YS 3 meu favorito, YS VI e o Memoris of Celeta.
 

king_hyperdyo

A RPG Gamer
VIP
Mensagens
15.070
Reações
4.653
Pontos
519
Em 2018 eu joguei os seguintes RPG:

Kingdom Hearts 1 e 2 - Queria Platinar, o 1 só falta a parte de Navinha e terminar no Hard. O 2 achei muito dificil lutar com os caras da Organização XIII mesmo no level max.
Xenoblade 2 - Achei muito foda, praticamente joguei ele nas férias inteira.
Dragon Quest XI - 2 Meses Intensos de um grande RPG. Pelo menos Platinei.
Valkire Chronics - Não sei se encaminha como RPG, mas joguei bastante ano passado. Foi um parto para terminar.
YS VIII - Comecei no Fim do Ano Passado e devo terminar esse ano.
Pillars of Eternity II Deadfire - Também comecei no Ano passado e devo terminar esse Ano.


Acredito que em 2019 jogue mais.

Comprei Boa Parte da Série YS e devo jogar todos.
Vou comprar o Kingdom Hearts 3 assim que receber

Tenho também o Trails of Cold Stell 1 e 2
 

Ultima Weapon

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
16.771
Reações
15.126
Pontos
629
Terminei Shadowrun Returns.
Ótimo sistema de evolução e boa ambientação que mistura ciência com fantasia, bem como diálogos maduros e violentos. O combate é bom porém é um jogo curto e um pouco repetitivo. Inventei de ir no normal já que não sabia o que esperar do gameplay desse jogo e me arrependi, foi estupidamente fácil apesar de perceber que algumas builds devem desequilibrar, principalmente as puras, joguei com Street Samurai full Quickness/Ranged/Rifle e após os primeiros mapas o dano tava descomunal, só contratei uma equipe completa para a última missão mas não duvido que desse pra fazer solo).
A história é boa porém suas escolhas praticamente não têm impacto para os capítulos seguintes e a reta final é muito fantasiosa e forçada.
É o primeiro da franquia, os próximos podem ser melhores.

Em andamento tenho o ótimo Assassins Creed Odyssey e o até então sonolento Valkyria Chronicles 4. Pensando no que instalar no PC agora pra substituir Shadowrun, tô com muito tempo oceoso só com notebook por perto.
 

T.Chico

Bam-bam-bam
Mensagens
6.889
Reações
9.487
Pontos
384
Terminei ano passado
Dragon Age 3 nota 80
Dragon Quest XI nota 85
Ni no Kuni II nota 80
Shadows Awakening nota 65
FFXII remake nota 90

Ficaram pelo caminho
Tales of Berseria
Dragon quest Heroes 2
Fallout 4
Bravely Deafut
 
Ultima Edição:

T.Chico

Bam-bam-bam
Mensagens
6.889
Reações
9.487
Pontos
384
Comecei o SAO Fatal Bullet no PC, o anime dessa temporada me deixou com vontade. Mas estou achando o jogo bem ruinzinho, o gunplay é sofrível e tem excesso de diálogos inúteis.
Eu ia instalar esse SAO FT mais anunciaram uma versão complete para março vou esperar.
 

Vaynard

Mil pontos, LOL!
Mensagens
61.047
Reações
36.243
Pontos
1.014
Joguei poucos rpgs esse ano, mas joguei muita coisa boa.

Foram eles:

Persona 5 com 99 horas
Dark souls 3 e as 2 expansões com 42 horas
Valkyria Chronicles Remastered e as expansões com 30 horas
XCOM Enemy Unknown e o Enemy Within, mais o maldito mas maravilhoso mod Long War deve ter somado em torno de 100 horas
Into The Breach com 20 horas, mas dá vontade de jogar com os outros esquadrões e zerar com todos, embora alguns pareçam impossíveis kkkk
Parasite Eve com 8 horas, relembrando este clássico, que havia jogado a última vez lá pra 99/2000
Mutant Year Zero com 12 horas, um X-com clone com bastante stealth

E por fim agora no final do ano, Devil Survivor 2 com 40 horas.

Persona 5 na verdade eu havia começado em dezembro de 2018 e concluí no começo do ano.

Maior surpresa foi X-com. Vinha enrolando a anos pra conhecer a franquia e foi fantástico. Mesmo com as taxas de acerto ridículas que irritam
Long War foi ao mesmo tempo que extremamente recompensador, foi penoso e acabei dropando.
 

leonemesis

Bam-bam-bam
Mensagens
4.341
Reações
3.567
Pontos
409
Não lembro tudo o que joguei de RPG´s em 2018. De cabeça lembro de Xenoblade Chronicles (Wii), Atelier Firis (PS4), Wasteland 2 (PS4), Shadow Hearts (PS2), Tales of Rebirth (PS2), Dragon Shadow Spell (PS2) e Horizon Zero Dawn (PS4). Deve ter mais coisa mas não estou lembrando agora.

Aproveitando, pro pessoal que tem curiosidade sobre a minha coleção Megaten, da qual já falei aqui em outras ocasiões que postava mais, finalmente publiquei umas fotos e um pouco sobre o porquê coleciono a série. Link abaixo

Coleção Megaten leonemesis

É isso, um ótimo ano a todos nós
 

ValenS

Bam-bam-bam
Mensagens
9.034
Reações
6.709
Pontos
424
Eu ia instalar esse SAO FT mais anunciaram uma versão complete para março vou esperar.
Olha pelas notas que você colocou no seu post logo acima, eu acho que você não vai gostar do SAO Fatal Bullet. Aconselho pegar um demo antes de comprar e testar para ver se faz seu estilo. Estou com 5hrs de jogo e infelizmente acho que vou dropar.

O ano de 2018 eu joguei poucos singles, boa parte do meu tempo foi investido em BDO, Warframe e alguns outros jogos online. Destaque para Dragon Quest XI e MHW, que joguei média de 100+hrs em ambos e os considero masterpieces.
 

LuxEtUmbra0

Bam-bam-bam
Mensagens
1.156
Reações
1.153
Pontos
203
Considero que foi um bom ano rpgzístico. Fechei: Final Fantasy VI novamente (nem sei quantas vezes já fechei ele, foram muitas hehe), Ys VIII, dois Legend of Heroes (Trails 3rd e Zero no Kiseki), Blue Reflection, Tokyo Xanadu. Ou seja, ano passado Compile Heart predominou, neste foi a Falcom (novamente). E comecei Ao no Kiseki, que estou jogando atualmente (junto com outros jogos).
 

topo

Habitué da casa
Mensagens
138
Reações
176
Pontos
63
Dei um vacilo essa semana em Chrono Trigger que chega de uma desanimada aqui:

Apesar de ter jogado umas 10x uns 15 anos atras no emulador de SNES eu nunca tinha finalizado...
Ai quando eu chego na parte de Magus eu resolvi lutar com ele e continuei jogando(já que não sabia que ele era recrutável), ai fui pro lost sanctum achando que era parte da historia mas depois de umas 3hrs percebi que aquilo não tinha muito a ver com a main quest e fui ler um walkthrough e vi que tinha perdido a chance de recrutar Magus pro time, fora as 3 horas jogadas fora fazendo as missões chatas do lost sanctum. :facepalm:facepalm:facepalm
 

bladejunior

Veterano
Mensagens
649
Reações
385
Pontos
129
Estou no meio do Crimson Gem..
Por mais que tenham caprichado nos gráficos, o restante ficou devendo.
Personagens bem medíocres, trilha sonora meia boca e história meio xexelenta.
Irei terminar com certeza mas por enquanto fico com o gosto amargo de um RPG nota 5
 

Wein

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
21.561
Reações
14.412
Pontos
739
Ano passado terminei esses, devo ter terminado mais alguns mas não estou lembrando agora.

Dragons Dorgas Dark Arisen (PS4) (até fiquei com preguiça de postar aqui lol) - Achei um jogo competente mas no final tudo é meio arroz com feijão básicão, sistema de batalha simples, enredo meh, exploração meio limitada, quests inúteis... Não me empolgou no fim das contas pra seguir jogando, matei o Ur Dragon e terminei, já deu.

Exist Archive (PS4) - Jogo com altos e baixos, excelente sistema de batalha com uma interessante variação de estilos porém o dungeon design é péssimo e o enredo achei muito tanto faz, diálogos bem toscos. Tri-ace nem pra fazer um clonezinho maroto de VP melhor acabado =/

World of Final Fantasy (PS4) - Excelente rpg e uma boa homenagem aos FFs, sistema de evolução dos Pokémons muito legal e viciante, muito criativo o esqueminha de montar a pilha com os personagens o que acaba permitindo uma gama infinita de estilos pra lutar (embora quase todo mundo tenha usado Ramuh/Ifrit/Shiva e +1 lol) Humor na medida certa e no fim das contas o enredo até foi interessante, plot twists meio doidos.

Dark Souls Remaster (PS4) - Cashgraber obvio da From mas como sou fanboy da série e não tinha jogado a DLC valeu a pena re-jogar essa masterpiece.

Odin Sphere Leifthrasir (PS4) - Jogo lindo da Vanilaware linda, tudo no jogo é de altissimo nivel, sistema de batalha, personagens, enredo, trilha sonora... é daqueles que quando você termina da vontade de jogar de novo, sentimento parecido com os outros que a mesma produziu.

Radiant Historia Perfect Chronology (3DS) - Uma grata surpresa, não esperava um jogo tão bom. Sistema de batalha achei o ponto máximo, uma excelente mistura de turn base com tactic, bastante viciante, os diversos personagens tem estilos próprios e o jogo acaba te forçando a usar todos, algo que sempre acho muito positivo. Enredo muito legal com foco em viajem no tempo e universos paralelos, muito bem amarrado e com o universo construido dentro do enredo.

Lunar Silver Star Story Complete (PS1) - Jogo divertidissimo, RPG clássico no conceito mais puro, excelente sistema de batalha por turnos, enredo muito bacana, boas sacadas e pitadas de humor com personagens muito carismáticos, excelente trilha sonora... dificil achar falhas nele.

Digimon World 2 (PS1) - Já terminei umas 500 vezes mas tive que jogar de novo, melhor dungeon crawler ever.

Pokémon Soul Silver (DS) - Não tinha terminado esse remaster, só elevou o nível do já épico G/S.

King's Bounty the Legends e KB Crossworlds (PC) - Conheci a franquia na Steam e fiquei viciado, uma excelente mistura de RPGs táticos com turn base, jogos enormes com muito conteúdo e exploração com nível de dificuldade bastante elevado. É basicamente um Might & Magic com maior foco em customização e team building.

The Witcher (PC) - Li o 1º livro do Sapkowski e achei o universo que ele criou e o Geraldão deveras interessantes, ai decidi conhecer a série. Como meu toc não me permitiria jogar o III direto comecei pelo 1º, apesar do sistema de combate muito engessado e simples todo o resto compensou, enredo e personagens muito bons, Open Wolrd do jogo é limitado mas te prende bem sem áreas gigantescas e quests inúteis.

Salt and Sanctuary (PC) - Basicamente um Dark Souls 2D Metroidvania, mesmo ritmo que torna a série viciante, coletar souls, entrar em covenants, matar bosses, morrer bastante, backtracking...
 
Ultima Edição:
Mensagens
2.124
Reações
1.569
Pontos
239
Todo ano finalizo uns 20 jogos, em média, e quase metade são JRPGs. Em 2018 foram:

Persona 2 EP: puta jogão. Bem ambicioso pra época (guardada as proporções da Atlus), e bem único ainda hoje.

Fire Emblem Path of Radiance: jogão também. Pena que na época nem os jogadores nem a Nintendo se importavam muito com a série. Melhor história, personagens, desafiante sem ser apelativo.

Digimon Story Cyber Sleuth: Divertido até. Deve ser melhor jogar no Vita, pra não reclamar de gráficos e câmera fixa. História meh, se arrasta tempo demais com fillers, mas ficar evoluído monstros é divertido pacas.

Valkyria Chronicles 3: Pena ter sido lançado depois do 2, que enterrou a série no ocidente por um tempo. Melhor história da série, um pouco mais equilibrado que os anteriores e o sucessor, mas também é meio injusto as vezes. Merecia Remake na engine do VC4.

Radiant Historia Perfect Chronology: jogo que maioria ama, mas eu não consegui gostar tanto. Fiz o final perfeito me arrastando praticamente.

Valkyria Chronicles 4: bom jogo, mas não consegue ser muito melhor que o primeiro. Aliás, ignoraram praticamente tudo que veio do 2 e do 3, sem adicionar muita coisa própria. Gosto da série, mas em um eventual VC5, é bom haver novidades substanciais.
 

topo

Habitué da casa
Mensagens
138
Reações
176
Pontos
63
Todo mundo fala tão bem de Lunar Silver Story que já vi que vou pular todo meu backlog de RPG e jogar ele depois de Chrono Trigger,

Agora qual versão vocês recomendam, PSP ou PS1? Já li alguns comparativos e vi que cada versão tem seus pontos fortes mas ainda não consegui decidir qual jogar.
 

Wein

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
21.561
Reações
14.412
Pontos
739
Todo mundo fala tão bem de Lunar Silver Story que já vi que vou pular todo meu backlog de RPG e jogar ele depois de Chrono Trigger,

Agora qual versão vocês recomendam, PSP ou PS1? Já li alguns comparativos e vi que cada versão tem seus pontos fortes mas ainda não consegui decidir qual jogar.
A de PS1 geralmente é a preferida porque corrigiu algumas coisas da versão do SCD porém mudou alguns elementos do enredo e localizações, então fans mais puristas preferem a de SCD.

A de PSP e GBA ficam abaixo dessas duas.
 

topo

Habitué da casa
Mensagens
138
Reações
176
Pontos
63
Chrono Trigger finalizdo! Que RPGzâo da porra, tomara que deixem esse jogo intocado na historia e não inventem um Remake.

SPOILER de Dragon Quest 11 nesse Spoiler!

PS: Que bicho preguiçoso o tal do akira toriyama, a segunda forma de Lavos é praticamente o mesmo do BOSS do DQ11





BONUS:

A de PS1 geralmente é a preferida porque corrigiu algumas coisas da versão do SCD porém mudou alguns elementos do enredo e localizações, então fans mais puristas preferem a de SCD.

A de PSP e GBA ficam abaixo dessas duas.
Valeu grande! Agora e ir atras de emulador e rom.
 
Ultima Edição:

BispoSnake

Bam-bam-bam
Mensagens
2.000
Reações
3.078
Pontos
304
Dei um vacilo essa semana em Chrono Trigger que chega de uma desanimada aqui:

Apesar de ter jogado umas 10x uns 15 anos atras no emulador de SNES eu nunca tinha finalizado...
Ai quando eu chego na parte de Magus eu resolvi lutar com ele e continuei jogando(já que não sabia que ele era recrutável), ai fui pro lost sanctum achando que era parte da historia mas depois de umas 3hrs percebi que aquilo não tinha muito a ver com a main quest e fui ler um walkthrough e vi que tinha perdido a chance de recrutar Magus pro time, fora as 3 horas jogadas fora fazendo as missões chatas do lost sanctum. :facepalm:facepalm:facepalm
Na minha humilde opinião

O Magus é um personagem passável. Ele consome muito MP mesmo com Gold Stud. Acredito que você consegue um time melhor com Lucca, Frog e Marle. Agora, se você queria ele por algum motivo, aí a história é outra. Em todo caso dá pra levar o game até o fim de boa sem ele no time.

Enviado de meu Mi A2 Lite usando o Tapatalk
 

Léo Stanbuck

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
30.928
Reações
27.489
Pontos
859
Chrono Trigger finalizdo! Que RPGzâo da porra, tomara que deixem esse jogo intocado na historia e não inventem um Remake.

SPOILER de Dragon Quest 11 nesse Spoiler!

PS: Que bicho preguiçoso o tal do akira toriyama, a segunda forma de Lavos é praticamente o mesmo do BOSS do DQ11





BONUS:


Valeu grande! Agora e ir atras de emulador e rom.
Akira Toriyama é bem preguiçoso. Sua arte não é renovada, personagens sempre iguais, acho chato pra caramba.

No mais Chrono Trigger é um dos meus RPGs favoritos. Dia 31/12 eu tava jogando um pouco de chrono trigger no Snes com meu sobrinho de 6 anos. Tenho o cartucho original rodando perfeito e salvado perfeito. Delicia demais! apesar de preferir a versão DS...
Na minha humilde opinião

O Magus é um personagem passável. Ele consome muito MP mesmo com Gold Stud. Acredito que você consegue um time melhor com Lucca, Frog e Marle. Agora, se você queria ele por algum motivo, aí a história é outra. Em todo caso dá pra levar o game até o fim de boa sem ele no time.

Enviado de meu Mi A2 Lite usando o Tapatalk
Equipe perfeita é Chrono - Marle - Frog.
Não dá, Haste é a magia mais apelona do jogo. Depois de haste nos 3 simplesmente não tem inimigo que aguente. Frog ajuda com Masamune + magias de cura em grupo + Cure 2 e Chrono é o personagem mais roubado da história dos JRPGs.
 

LuxEtUmbra0

Bam-bam-bam
Mensagens
1.156
Reações
1.153
Pontos
203
Todo mundo fala tão bem de Lunar Silver Story que já vi que vou pular todo meu backlog de RPG e jogar ele depois de Chrono Trigger,

Agora qual versão vocês recomendam, PSP ou PS1? Já li alguns comparativos e vi que cada versão tem seus pontos fortes mas ainda não consegui decidir qual jogar.
O bom é que tem NG+ heheh, recrute na próxima jogada.

Quanto ao Lunar, versão PS1 é mais difícil, que por sua vez é mais fácil que a de Sega CD. Sega CD tem encontros aleatórios, custo para salvar. No PS1 e PSP tu salva livremente e vê os inimigos, embora no PSP seja difícil de fugir em razão dos corredores estreitos. PS1 ou PSP irá bem. Única coisa que achei estranha na versão PSP foi que a música para em cada loading.
 

T.Chico

Bam-bam-bam
Mensagens
6.889
Reações
9.487
Pontos
384
Todo mundo fala tão bem de Lunar Silver Story que já vi que vou pular todo meu backlog de RPG e jogar ele depois de Chrono Trigger,

Agora qual versão vocês recomendam, PSP ou PS1? Já li alguns comparativos e vi que cada versão tem seus pontos fortes mas ainda não consegui decidir qual jogar.
Joguei a do PS1 jogo bem desafiante sem ser cansativo falam que a versão do psp é bem fácil.
 

T.Chico

Bam-bam-bam
Mensagens
6.889
Reações
9.487
Pontos
384
O bom é que tem NG+ heheh, recrute na próxima jogada.

Quanto ao Lunar, versão PS1 é mais difícil, que por sua vez é mais fácil que a de Sega CD. Sega CD tem encontros aleatórios, custo para salvar. No PS1 e PSP tu salva livremente e vê os inimigos, embora no PSP seja difícil de fugir em razão dos corredores estreitos. PS1 ou PSP irá bem. Única coisa que achei estranha na versão PSP foi que a música para em cada loading.
Se a versão sega CD é mais difícil que a ps1 santo pai:kfreeze e lembrando esse ano tem Grandia que saudades da game arts.
 

topo

Habitué da casa
Mensagens
138
Reações
176
Pontos
63
Depois de um tempo testando alguma configurações no emulador, consegui achar um setup que me agrade (no final preferi usar um shader de filtro do que fazer upscaling pelo emulador).

Se alguém souber outro setup que fique mais bonito aceito as dicas.

 

Léo Stanbuck

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
30.928
Reações
27.489
Pontos
859
Depois de um tempo testando alguma configurações no emulador, consegui achar um setup que me agrade (no final preferi usar um shader de filtro do que fazer upscaling pelo emulador).

Se alguém souber outro setup que fique mais bonito aceito as dicas.

que jogo é esse?
 

Gillian

Veterano
Mensagens
602
Reações
666
Pontos
143
Esse é Lunar Silver Star do Psone...

E tipo, a jóia dessa (pequena) série é sua sequência: Eternal Blue.

Esse eu prefiro a versão do sega cd pelos pontos de evolução das magias...

No psone é injetado no level dos chars...

Eternal Blue é lindo demais (qualquer versão)...

Enviado dos céus de Zenithia
 

Ultima Weapon

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
16.771
Reações
15.126
Pontos
629
Capítulo 4 de Valkyria Chronicles 4 teve a primeira luta muito boa e com mapa gigante. Ainda assim tenho uma dificuldade imensa pra empolgar com esse jogo, jogando eventualmente e no máximo 1 mapa por dia.

Assassins Creed Odyssey apesar da repetitividade no mapa aberto segue ótimo.

Escolhi o próximo rpg de PC: Tyranny. Parece um Pillars of Eternity do diabo, extremamente promissor, pena que vendeu mal e não deve aparecer em consoles. Tô um pouco abaixo dos requisitos mínimos no meu notebook e na tela de criação de personagens (não passei dali ontem lulz) já tá meio travado, esses jogos da Obsidian apesar de ter gráficos simples são muito mal otimizados, na pior das hipóteses deve rodar bem em uma resolução sub-hd imagino.

*Esses foram meus mini-reviews dos rpg's de 2018, retirados do tópico de jogos finalizados do ano:
#1 (03/01) – South Park: A fenda que abunda a força (PS4, 25hs):
Não tenho tanta familiaridade com a série, assisti uma dúzia de episódios ao longo das primeiras temporadas porém tive boa expectativa pois o primeiro é um ótimo e surpreendente jogo.
Gostei desse, a história é quase sempre engraçada (só achei um tédio a parte do laboratório, no resto sempre dei alguma risada), moderna e pega um tema central que gosto ainda mais, super-heróis. As comparações são inevitáveis: se por um lado o sistema de batalhas evoluiu muito e os bugs diminuíram vemos uma produção preguiçosa pois os cenários são basicamente os mesmos (aliás, acho que são menos, sequer há o Canadá), fico com a impressão de que há ainda menos dungeons, mais backtracking pra quebrar o ritmo e apesar do potencial do enredo e das novas customizações do perfil do personagem (os trechos com o Mackey são hilários) a história também é um pouco repetitiva.
Nota 7,5

#2 (25/01) – Dark Souls 2 Scholar of First Sin (PS4, 81hs):
Ótimo jogo e realmente parte dos dlc's são melhores do que o jogo base; o primeiro dlc não achei tuuuudo isso, já o segundo e o terceiro são excelentes. Quase todos os bosses dos dlc's são ótimos e varia um pouco mais, as vezes cansava tantos humanóides em sequência no jogo base.
O boss mais difícil do jogo foi o Darklurker, depois o Fume Knight; ambos bem na frente do resto, que foram relativamente tranquilos se comparados com DS1 e principalmente Bloodborne. Acho que parte da facilidade dos bosses nesse jogo é porque tem summon de npc em quase todos pra ajudar, eu jogo offline e nos outros jogos não tinha essa moleza.
Passei quase o jogo inteiro full Havel + elmo dos anões, depois troquei pra coroa overpower do dlc que regenerava feitiços, dá até vontade de jogar de mago depois de ver aquele item. Arma alternei entre Zweihander, umas outras Ultra Greatswords de bosses e Great Club (minha arma no DS1, que tá + ou - nesse).
O lore é legal mas a história central do jogo particularmente não empolgou, além disso acho que tá na hora de melhorarem a qualidade dessas raras cutscenes, ao menos o final podia ser menos curto, genérico e subjetivo, contando um pouco sobre o que acontecerá aos npc's etc. O level design é muito bom e tá abaixo do padrão da franquia pois os mapas não se abraçam.
Com o tempo me acostumei à animação estranha e sem gravidade desse jogo, os bonecos parece que flutuam.
Só vi depois que desinstalei o jogo que dá pra enfrentar o Ancient Dragon, agora já era. Esqueci também de coletar os itens no fogo em Iron Keep, o resto acho que deu pra fazer quase tudo o que é possível em uma partida apenas.
Nota 8,5

#3 (01/03) – Dark Souls 3 Fire Fades Edition (PS4, 93hs):
Excelente jogo, atingiram ótimo ponto de equilíbrio no gameplay (FP e Weapon Arts acrescentaram muito) e boa aquisição pra franquia não precisar dar upgrade na armadura, incentivando a troca frequente da mesma. O lore não deve muito para os de DkS1 e Bloodborne, apesar de mais uma vez esperar um final expressivo e receber uma cutscene miserável de 10 segundos, nesse caso não tem descrição de item pra salvar e fica na sua imaginação.
Dlc's mais uma vez são o ápice do jogo, gostei bem mais da história do primeiro porém dois bosses do segundo são estupidamente fortes, Midir pra mim foi com folga o maior desafio da franquia até então.
Fiz quase tudo o que é possível em uma partida, só faltou muitos itens de covenant porque cansei de grindar, sem poder jogar online (valeu Sony por exigir o uso de psn plus pra isso) complica.
Nota 9,5

#4 (07/03) – Nights of Azure (PS4, ~35hs):
Gameplay precário, muito fácil (excluindo os dois últimos bosses que fogem completamente do padrão, é estranho do nada disparar o desafio. Além disso a dungeon extra via dlc é dificílima) e de sistema de evolução razoável. Contudo a trilha sonora é boa, sua simples história é agradável de acompanhar sendo que o romance central é interessante e genuíno.
Nota 6,5

#5 (21/03) – Megadimension Neptunia VII (PS4, ~55hs):
Fiz duas partidas pra ver o melhor final. Achei estranho que não tem local bom pra grindar além do nível 100, deixa alguns desafios na arena virtualmente impossíveis sem várias dezenas de horas de grind.
Gostei dele. O primeiro arco possui história fraca e dura intermináveis ~10hs, já os das CPU's como sempre destacam-se em termos de humor com Vert~Neptune, Blanc é ok e Noire sozinha não empolga. O Gold Team é legalzinho e não faz nem sombra pra Plutia/Iris Heart, inexplicavelmente fora do jogo. O último terço do jogo é a melhor parte.
Tecnicamente estagnou: Gráficos, sistema de batalhas/evolução (que seguem bons) e trilha sonora apresentam muita coisa reaproveitada e pouca evolução. As dungeons seguem desinteressantes mas tem 3 modelos genéricos novos pelo menos, um é um mini-game medíocre, outro envolve um pouco de saltos e o último parece dungeon de SMT clássico com corredores simples e longos.
No geral é um jogo divertido, com personagens carismáticos e história bem humorada, contudo fica à sombra do Victory pois tecnicamente é parecido demais e artisticamente tá um passo atrás. Tenho curiosidade agora pra pegar o 4 Goddess Online, esse apresentará coisas importantes novas.
Nota 7,5

#7 (06/04) – Alliance Alive (3DS, 60hs):
Ótimo exemplo de como tirar proveito das críticas, mantém o que deu certo no mediano Legend of Legacy (sistema de batalhas, character design) e modifica brutalmente exploração e narrativa. A presença de um overworld a explorar, dungeons comuns e a presença do criador de Suikoden desenvolvendo o enredo dão ares de um jrpg bastante tradicional: muitos elementos a explorar no mapa, um sistema de gerenciamento e recrutamento de npc's para guildas (absolutamente opcional porém gostei e explorei ao máximo), um roteiro com altas aventuras e alternância nos membros da equipe, contando um grupo de personagens bastante carismático. Resumo esse jogo como um Tales of "raiz" (do Vesperia pra trás) com uma pitada de Suikoden e o ótimo battle system/sistema de evolução de Legend of Legacy. O enredo é ok, gosto da divisão quase igualitária da atenção entre todos os membros (sim, aqui sim não há protagonista) contudo acho muito genérico principalmente do meio pra frente, então será esquecido em breve.
Percebe-se que o desafio foi modificado pois o game anterior é bastante difícil enquanto Alliance Alive tem desafio baixo~moderado, com um pico no meio do game e alto durante quase todos os eventos opcionais. O jogo não tem voice acting.
Não é tão longo, 30hs são o suficiente porém completando todos os eventos extras, isso inclui os investimentos na guilda, facilmente dobram o tempo de jogo. Uma pena que não é possível masterizar mais do que 3 das 5 guildas por partida, motivo que me leva a cogitar fazer o game+ eventualmente.
*Atenção que a partir do capítulo 20 já tem personagem secreto recrutável e vale a pena pegar logo porque eles participam das cutscenes, bem como ocorre em FFVII por exemplo.
Nota 8,5

#14 (23/05) – Planescape Torment: Enhanced Edition (PC, 30hs):
Havia jogado apenas poucos minutos da versão original pois não tenho o hábito de usar o PC para jogos e a interface/gameplay pareciam muito precários, contudo enxerguei seu potencial e agora pude dar nova oportunidade.
O início de PST:EE é intimidador pois mesmo com as leves melhorias técnicas a interface ainda é rústica e o roteiro anda em ritmo lento, muito lento. Após a jornada inicial em busca de Pharod, apesar de já termos sido apresentados aos excelentes personagens Morte, Dak'kon e termos realizado algumas quests decentes em meio a tantas paralelas medíocres as quais ignorei, o enredo começa a finalmente brilhar com intensidade e em ritmo mais intenso, para tanto a jornada central toma dimensões maiores, o nível das side-quets também melhora, somos apresentados a tantos outros incríveis personagens, diálogos inteligentes, imersivos, maduros, engraçados, dramáticos e emocionantes; então você finalmente compreende o porque desse título ser tão idolatrado por fãs de uma boa leitura. A última dungeon desse jogo definitivamente é empolgante, uma das experiências mais interessantes que tive com videogames e o final é mais do que digno dessa grande aventura.
Fall-from-Grace, Ravel, Deionarra, The Transcendent One, Vhailor...são muitos personagens com background e participações incríveis.
Além disso as decisões nesse jogo importam. Muito.
O combate fica em segundo plano mas devo citar que é precário, apesar do sistema de evolução ser bom e muito bem utilizado na hora do roleplay o mesmo não pode se dizer para as lutas pois mesmo jogando quase o tempo todo como Mage o que mais fiz foi enviar a party usar auto-attack em um inimigo por vez e pronto. Magias e outras habilidades especiais fazem grande diferença porém seu número é muito limitado a cada rest, quando você começa a ter possibilidade de usar com maior frequência (nível 20+) o jogo acaba.
Não tenho muita experiência com crpg's, joguei apenas Baldur's Gate 1, Pillars of Eternity e Divinity Original Sin, nenhum deles é equiparável a Planescape Torment quanto ao enredo e então tenho como meta agora tentar encontrar algo similar.
Não é um jogo perfeito pois há side-quests que não gostei, combate fraco, problemas técnicos e a exploração muitas vezes pode parecer confusa e pedir um guia pra não passar muito tempo atrás de algum npc perdido, contudo a história e personagens são tão, tão bons, que torna-se sem dificuldade um dos meus jogos favoritos.
Nota 9,5.

#15 (14/06) – Tera (PS4, ~25hs):
Tava lá disponível pra download, tô quase sem opções no PS4 e não pedia psn plus, achei que valia arriscar. No começo torci o nariz, tem aquela cara de rpg's ultrapassados e com história/quests genéricas, além de muito grind. Erro de avaliação em relação ao grind, comecei em uma semana que tava com bônus de 100% xp e então peguei nível 20+ em poucas horas. Dali em diante ignorei toda e qualquer quest do jogo e fiz única e exclusivamente o modo pvp do jogo chamado Kuma Battlegrounds (muito divertido, bem competitivo e tem nada a ver com o jogo base; além disso dá mais xp do que qualquer outra coisa nesse jogo, começou dando 5 níveis por vitória e a partir do 50 manteve em 1lv/vitória) e conforme a personagem evoluiu fiz as dungeons usando o instance matching, quase sempre bastante rápido (talvez por eu jogar de tank, vai saber).

Ok, é um jogo oriental gratuito genérico, com gráficos ruins visto que é um jogo velho, personagens bonitas/sensuais e não pisei em 5% dos mapas disponíveis, por que então valeu a pena jogar até o nível 65 e fazer quase todas as dungeons normais (e que são também genéricas ainda por cima, sendo que faltou duas pra mim e o jogo não permite fazer acima do nível sem grupo pré-definido acho)?
Porque o gameplay é bom; não é tão técnico quanto Blade&Soul (outro mmo oriental genérico gratuito, todo mmo oriental gratuito é genérico obviamente) mas também exige bastante técnica do jogador, nesse não sofri muito com lag e apesar das dungeons serem genéricas (não há como escrever uma análise de um jogo desses sem digitar 500x o termo 'genérico') há vários bosses divertidos e suponho que nas dungeons de nível 65 (que não farei porque pedem nível de equipamento muito, muito acima do que minha personagem possui e agora que deve começar o grind) sejam ainda mais interessantes e desafiantes. E o Kuma Battlegrounds definitivamente diverte.
Não tenho a menor idéia de como termina a história e quais são os personagens encontrados ao longo dessa aventura, até porque minha main quest parou antes do nível 10 provavelmente, mas fica ai a dica pra quem quiser "terminar" um mmorpg em menos de 30hs lulz
Nota 5,5

#16 (19/06) – Shin Megami Tensei: Strange Journey Redux (3DS, 51hs):
O último jogo que esperei lançar pro 3DS. História é boa, ambientação ótima e esperava mais da rota chaos, a normal já é um pouco leve e caso siga no trecho exclusivo da versão redux vira quase Persona, a Atlus esqueceu que se você escolhe caótico é porque quer ver o circo pegar fogo.
Nesse remake podiam ter colocado o sistema de fusion do SMTIV/Persona 5, com uma lista das fusões disponíveis, essa praticidade já me parece essencial.
A rota extra da versão redux tem uma história mediana porém a última dungeon, a dos puzzles das cabeças, é a melhor do jogo porque não fica na tentativa e erro eterna até andar por 7308341903 quadradinhos e chegar ao objetivo; o novo boss final é divertido.
As dungeons obviamente são uma polêmica nesse jogo, há inspiração no conceito de cada mapa porém o combo de tentativa e erro com mapas imensos tornou a exploração maçante pra mim.
É um jogo bastante bom apesar de ser o pior megaten que joguei (desde o PS2 pulei apenas os Raidou e Persona Q) ao lado de SMTIV (o primeiro, não o Apocalypse), acho que criei muita expectativa.
Nota 7,5

#18 (06/08) – Final Fantasy XII Zodiac Age (PS4, 105hs):
Está ai um jogo velho que o tempo tornou ainda mais interessante pra mim. Eu sempre gostei muito dele e achava a frente de seu tempo por conta do combate inteligente (meu sistema de batalhas favorito na franquia após Lightning Returnts e FFX-2), mapas amplos (também incrementáveis conforme avança nas hunts) e desafio acima da média da franquia, contudo tinha algumas restrições em relação ao enredo e character design. Essa revisita deixou uma impressão melhor, não acho mais Vaan e Penelo tão deslocados, tão pouco que há poucas cutscenes (em 2006 ainda vivia uma vibe de jrpg's mais noveleiros no estilo de Xenosaga, FFX e Shadow Hearts, eram referências muito fortes), achei o figurino melhor do que eu lembrava e o enredo é bastante bom (na segunda metade cai um pouco na medida que começa a depender menos de política e mais de misticismo, tal qual FF Tactics curiosamente); destaco também seu refinado script, é um game bem escrito e usa linguagem bem mais sofisticada e elegante do que a de FFX por exemplo. Não lembrava que o final é tão legal, pela primeira vez fiquei com vontade genuína de jogar FFXII Revenant Wings no NDS e o farei assim que possível.
O Zodiac Job System coloca o License Board (o sistema de evolução do jogo) em outro patamar, o que no game original dava uma falsa impressão de controle e personalização no desenvolvimento da equipe aqui efetivamente oferece isso. Outro ótimo acréscimo é o Extra Mode, destaco a batalha conta os piratas no cenário 84 (ou 86) e evidentemente a luta de número 100, muito exigente e divertida.
Bom também poder acelerar o game em duas ou quatro vezes, ajudou especialmente para farmar materiais na reta final do jogo, algo maçante que infelizmente também foi inspirado no modelo de mmo do FFXI.
Não conhecia o pior mini-game de pescaria de todos os tempos, mais difícil e angustiante do que o Yazmat e o Omega somados.
Nota 9,0

#19 (18/08) – Ni no Kuni 2: Revenant Kingdom (PS4, 97hs):
Jogo bastante bom. Ótimo ver a Level 5 eliminando seu ponto mais fraco, a AI passou de um padrão abaixo da crítica pra algo realmente bom, impressionou nesse aspecto. Também destaco o desafio elevado (patch 1.3+, hard é desafiante e o extreme absolutamente punitivo), o grande número de eventos opcionais (ponto extra pro recente dlc gratuito), micro-gerenciamento de reino viciante, batalhas com exército interessantes e os gráficos (o visual nem achei tuuudo o que falavam, gostei mesmo foi da animação dos personagens).
O combate é simples porém eficaz e com AI boa é outra coisa. Higgledies são ok, uma pena que abriram mão do sistema de pets.
O jogo anterior apresentava problemas e esse tem ainda mais, especialmente por conta do enredo/personagens fracos e genéricos (a cereja do bolo dessa mediocridade foi a explicação do background de Roland e do 'Curious Boy', poucas vezes vi uma história tão infantil e sem sal em um rpg); tem só um momento que a história parece que vai embalar, no retorno à Ding Dong Dell e logo esfria. Outro problema é a repetição exaustiva de inimigos, incluindo bosses, side-quests simplórias e bastante backtracking; até o world map (e eu adoro mapas em escala tradicional, com direito à barco/navinha) é meio genérico e repetitivo, tem nada pra fazer na periferia dele por exemplo, o do primeiro game foi muito melhor elaborado.
Nota 7,0

#21 (25/08) – Pillars of Eternity (PS4, 87hs):
Ótimo jogo. Destaco seu complexo sistema de evolução, roleplay e combate old school, um Baldur's Gatet revitalizado. Bons personagens porém esperava mais da história central, achei desinteressante e a parte da expansão White March foi a melhorzinha.
Muitos problemas técnicos: loadings frequentes e imeeeeeeee...eeeeensos, problemas de desempenho e eventuais bugs. Acessibilidade problemática na versão console, menus e controles burocráticos.
No aguardo do lançamento da continuação para o PS4.
Nota 8,0

#22 (03/09) – Torment: Tides of Numenera (PS4, 34hs):
Após terminar o maravilhoso Planescape Torment soube da existência desse sucessor espiritual. De fato muito parecido, há inclusive easter eggs referenciando o clássico rpg.
Sistema de evolução é muito, muito legal, basicamente dividindo em camadas de habilidades de combate e/ou de lore, são poucas opções em várias categorias e isso dá margem pra builds variadíssimas e que mudarão completamente sua abordagem em luta/diálogos.
A primeira metade é um jogo bem diferente do usual, como você está em um ambiente calmo e civilizado só lutará se assim quiser ou não ter boa capacidade diplomática, em 15hs fiz apenas duas lutas e foram em quests paralelas contra criaturas não pensantes. Falando em lutas o combate é basicamente uma versão bem simplificada de Divinity Original Sin, funciona bem e seria interessante o jogo dar mais oportunidades de apreciá-lo. Há sim confrontos frequentemente porém são testes de persuasão e outras decisões mentais. Há uma fase do jogo que é curta e começa a introduzir o jogador em um universo diferente, fazendo então uma transição pra uma segunda metade que lembra mais a ambientação pós-apocalíptica de Planescape Torment, com a presença de inimigos também perigosos porém irracionais e imunes ao diálogo.
A história é indiscutivelmente muito boa, manteve-me com foco e é moldada por suas decisões, acredito que ainda voltarei a jogá-lo porque há muitas possibilidades de progresso legais e o jogo é curto (a main quest mal passa de 20hs, eu levei mais de 30 mas fazendo praticamente todas as missões paralelas e lendo quase tudo). Quests paralelas essas que são boas e algumas com um humor negro de qualidade que tanto gosto. No elenco há três companheiros inesquecíveis: Rhin, Erritis e Matkina, principalmente os dois primeiros que são estupidamente criativos e imersivos. obs: perdi os pontos da quest da Callistege, então não a conheci direito; os outros 3 personagens são legais mas já os vimos quinhentas vezes em outros bons rpg's.
Merecia cenas finais melhores e mais longas, pareceu um Dragon Age de pobre.
O jogo usa a mesma engine porém é menos bugado do que Pillars of Eternity, tive que reiniciar "só" umas quatro vezes ao longo da jornada por travar ou erro em tela de loading (que são mais curtas do que as de Pillars falando nisso).
Em história central/personagens estão ao nível de Planescape Torment? Nem de perto, tá muito atrás porém há bastante qualidade e vale acompanhar pra quem gosta de ler bastante e de sci-fi bizarro. Contudo o gameplay é bem superior ao jogo que o inspirou e me surpreendeu porque demorou tanto pra começar a ter lutas que achei que seriam ruins.
Tá na hora de anunciarem mais um Torment, necessito disso agora.
Nota 9,0

#23 (16/09) – Exist Archive (PS4, 63hs):
Um bom jogo e diria que até essencial para fãs de Valkyrie Profile tal a similaridade com aquela franquia. Sistema de batalhas divertido e bonitas artworks são o destaque; por outro lado a história apesar de tentar um clima mais pesado não empolga, bem como dungeons e inimigos são repetidos à exaustão.
Nota 6,5

#25 (10/11) – Octopath Traveler (Switch, 89hs):
Ok, controlei nem 20hs mas acompanhei a partida inteira na co-pilotagem, então tá valendo. =p
Primeiro jogo finalizado no aparelho. Me surpreendeu um pouco, esperava apenas um jogo bonito e old school pra agradar uma minoria saudosista porém há muita qualidade nesse título, em média não deve para os antecessores Bravely Default e Second.
Trilha sonora envolvente, arte bonita (cadê os portraits fora da tela de status?), sistema de batalha/evolução com jobs simples e eficiente, algumas partes da história (sobretudo os 3 primeiros capítulos da Primrose, capítulo 3 da Tressa, trechos do Olberic e Alfyn) brilham, no geral é um elenco bastante carismático e a exploração nas cidades utilizando-se das skills únicas de cada personagem é muito legal. Chefe final memorável.
Contudo os mapas são genéricos, as cidades parecidas e as dungeons extremamente repetitivas (problema recorrente com essa desenvolvedora), as dezenas de side-quests possuem histórias interessantes porém utilizam exaustivamente os mesmos protocolos para finalizá-las. Após finalizar as 8 boas e maduras histórias (pouco interligadas entre si, faltou capricho nesse aspecto) vi pouca coisa de interessante e desafiante para enfrentar além da dungeon extra que dá fechamento a esse ótimo jogo.
Nota 8,5

#26 (16/11) – Pokémon Let's Go Eeevee (Switch, 31hs):
Legal ver o remake visual da primeira geração, até que eu lembrava de bastante coisa. Há mudanças leves e ok~boas na história, o sistema de captura do GO, jogatina cooperativa e umas perfumarias extras como mega-evolução e elementos que não tinha no original. No post-game libera outras novidades como
treinadores adversários especialistas em cada espécie de pokemon e vôo de verdade na exploração, inclusive começam a aparecer pokemons selvagens no céu.
Não parece ter muito mais conteúdo, acho que com menos de 40hs de jogo devemos terminar o que tem pra fazer de legal (enfrentar os principais treinadores do post-game) e já era. Foram uns 110 bichos diferentes capturados, uma pena que vários são exclusivos ou pedem troca com outros jogadores, sempre achei isso estúpido.
O melhor é a trilha sonora e o modo cooperativo (que pode melhorar muito via patches, o player 2 só tem utilidade na tela de combate e captura), já o pior está no baixo desafio e repetitividade, além disso sua simplicidade me entedia em particular, não é o tipo de franquia eu costumo escolher pra jogar.
Me surpreende que a Nintendo tenha abolido os odiosos encontros aleatórios, deixou o jogo bem mais agradável enfrentar um monte de treinadores ao invés dos bichos selvagens; pena que é tão, tão fácil. É mais jogo do que o Red e o Silver, os únicos que finalizei, ainda assim parece ter regredido em relação aos demais (até na customização visual da protagonista e nos métodos pra agradar seus pokemons, um negócio que acho bem legal e no X vi que é bem mais avançado nesse aspecto, tem até mini-games naquele) em uma série que já é extremamente conservadora e tecnicamente limitada.
O próximo promete se mantiverem as boas novidades desse e deixarem mais complexo, de repente a possibilidade de um nível de dificuldade mais avançado, acho que uma minoria importa-se com o cenário competitivo.
Nota 7

#27 (29/11) – Xenoblade 2 (Switch, 226hs):
Xenoblade segue como o que há de mais moderno em jrpg's pois possui um mapa aberto imenso e rico em conteúdo (apesar da carência de quests paralelas mais interessantes), combate em tempo real com uma curva longa de evolução, um sistema de aprimoramento de personagens bastante vasto e variado. Post-game estupidamente longo (eu não lembro de outro rpg offline com tanta coisa pra fazer, única vez que um save bateu 200hs foi com FFX no PS2 e naquele foi muito mais grind do que qualquer coisa).
Xenoblade praticamente dobra a duração em relação ao primeiro game (o X infelizmente ainda não pude jogar, dizem que é o maior deles, ow) pois há muitas quests, inimigos únicos e grind por conta do grande número de blades (são 52 contando as via dlc, cada uma com suas próprias características de evolução e mais de 30 delas possuem uma longa quest individual) e também pela presença de um challenge mode (= arena/coliseu) muito, muito desafiante e que permite ao jogador tirar tudo o que a complexa jogabilidade desse game oferece; É muito frustrante quando um rpg oferece uma jogabilidade tão boa mas não permite que o jogador tire o máximo que ele possa oferecer, aqui foi tudo executado com maestria. Acho que pra encontrar todas as zonas secretas dos mapas, fazer todas as quests, completar todos os grids de evolução, encontrar algum outro monstro único que faltou e vencer toda a arena no hard tomaria pelo menos mais algumas dezenas de horas mas como eu tô muito a fim de experimentar a expansão do jogo (Torna the Golden Country) resolvi encerrar as atividades, decisão difícil pois Xenoblade 2 é um dos games mais divertidos que joguei e vicia com muita facilidade.
Falando em blades elas são um ponto muito alto do jogo, marcadas pela polêmica no visual sensualizado elas em sua maioria apresentam uma personalidade excêntrica e criativa, não só possuem características únicas em seu grid de evolução como também recebem animações exclusivas de movimentação e batalha; é muito agradável aprender e alternar entre elas enquanto percebe que o jogo oferece inúmeras possibilidades de combinações de grupo efetivas inclusive para as batalhas mais difíceis do challenge mode, a sua criatividade e ousadia é o limite enquanto sempre aprende algo novo, não descansei enquanto não liberei todas, fiz todas as quests relacionadas e aprendi a usar bem minhas favoritas de acordo com suas características únicas e desafios propostos.
Achei que a história tinha potencial porém seu ritmo é muito lento e eventualmente forçando o jogador a fazer quests e backtracking desinteressantes, ao invés de ~60hs poderia durar 10 ou 20hs a menos sem prejuízo considerável, contudo o que normalmente tirou meu ímpeto em relação à narrativa são os personagens principais, gostei de nenhum pois são rasos/unidimensionais e isso também vale pra maioria das blades de história, não é exagero usar o termo genérico pra referir-se a quase totalidade deles (tenho simpatia por Tora, Brighid e principalmente Poppi mas nenhum deles é realmente marcante). Esteve muito distante do que foi oferecido no primeiro game nesse aspecto e enquanto eu não exijo que todo rpg tenha boa história/personagens eu considero que um game com tantas cutscenes e linhas de diálogo apresente um padrão de qualidade mínimo que esse jogo tem dificuldade pra atingir.
Grande expectativa em relação à expansão pois o período em que se passa e os personagens envolvidos são o que esse universo mostrou de mais inspirado e maduro até então.
Portem logo o Xenoblade X pra Switch, por favor.
Nota 9,0

#28 (12/12) – Xenoblade Chronicles 2: Torna ~ The Golden Country (Switch, 37hs):
Após tanto tempo jogando Xenoblade 2 esperava que Golden Country fosse o mais do mesmo com uma história diferente. Engano, mesmo na jogabilidade apresenta uma experiência com uma série de distinções.
Tecnicamente há uma evolução notável em seu desempenho e a interface dos poucos mapas é melhor e com novos recursos para tornar a exploração ainda mais agradável, incluindo um sistema de acampamento com craft. Volta o interessante sistema de community de Xenoblade 1, basicamente uma interface para acompanhar a evolução do relacionamento com todos os npc's.
O sistema de combos ganha MUITO com as Blades agora sendo realmente controláveis, existir um segundo leque de skills para o personagem que está recuado e também habilidades ativadas na alternância entre Driver e Blades durante o combate, é tudo muito dinâmico e divertido. Sistema de evolução de todas essas habilidades foi totalmente modificado para comportar as mudanças. Se por um lado ganhamos esses novos recursos perdemos também MUITO em variedade de builds pois são apenas duas blades fixas por personagem e os Drivers não trocam de armas. Eu só não gostei do novo Fusion Combo pois está trivial pra inserir orbs nos inimigos e os Blade combos não são intuitivos. Queria ter o melhor dos dois universos mas nem sempre podemos ter tudo na vida, de repente no Xenoblade 3. =p
Há obrigatoriedade de realizar uma série de side-quests para avançar duas vezes na história, o que particularmente não enxerguei como elemento negativo pois elas possuem um background um pouco mais rebuscado, até porque agora temos esse grupo fixo e limitado de personagens controláveis.
Trilha sonora excelente, muito bonito e com excelente direção de arte como sempre.
Há duas coisas que distinguem muito XC2 Torna do Xenoblade 2, enredo e a quantidade de conteúdo:
- A história de Torna é bastante boa e amplamente superior a de seu antecessor, com personagens e diálogos interessantes e maduros, lembrando bem mais Xenoblade 1 e isso me deixou bastante contente, pena que a jornada não é mais longa pra aproveitar melhor esse universo criado.
- Enquanto XC2 é o jrpg com mais conteúdo post-game que já vi o Torna é muito curto e mesmo fazendo todas as side-quests e completando todos os affinity charts o jogo sequer atingiu as 40hs, sendo que apenas o main game (um de seus pilares por conta da boa história) mal deve atingir as 20hs. No momento penso se vale jogar mais umas 10hs do game+ só pra ter o prazer de então poder grindar bastante, derrotar os 2 (de apenas 4) 'super' bosses que restaram e ter que abandonar por falta do que fazer; nesse caso talvez seja melhor voltar pro Xenoblade 2 pois com mais de 200hs de jogo ainda faltou desafios bem mais interessantes do que Torna pode oferecer em uma segunda partida inteira.
Nota 9,0

#30 (18/12) – Final Fantasy XIV - Patches 4.2~4.45 (PS4, ~25hs):
Nem sei se cabe citar patch de atualização porém como é muito conteúdo (todo o ano de 2018) então achei bom.
Esse ano não renovei a assinatura e fiz todo o conteúdo softcore de maior relevância usando 2 dos períodos de Free Login oferecidos pela Square-Enix. A história principal está em uma crescente, bem dramática após o 4.1 e já prepara-se pra expansão que receberemos em 2019. Muitas vezes não gosto das dungeons normais oferecidas em patches posteriores mas gostei bastante dessas últimas, bosses bastante criativos. As duas raids de 24 jogadores (imagino que uma terceira ainda virá antes da expansão) são ótimas e um deleite para fãs de FFT e FFXII, muito legal voltar a interagir com personagens e cenários desses jogos.
Omega e os primals desse ano eu só fiz uma única vez o softcore (exceto o último tier de Omega normal pois faltou ilvl e só hoje descobri que não encontrei o último primal lançado, Suzaku, faltaria ilvl pra ele também) e então não entendi várias das mecânicas, fica difícil comentar; a luta contra o Kefka em específico achei muito parecida com a contra o EX-Death, bem como o Biakko parece um Susano-o piorado. O crossover com Monster Hunter nos dá uma batalha contra um primal bem diferente do normal e parece que o EX dele é feito em apenas 4 jogadores, curioso.
 

LuffyKurosaki

Bam-bam-bam
Mensagens
1.665
Reações
1.514
Pontos
204
Não imaginava que o remake do Lunar fosse tão diferente assim, eu joguei a versão do PSP e curti demais.
 

LuxEtUmbra0

Bam-bam-bam
Mensagens
1.156
Reações
1.153
Pontos
203
Depois de um tempo testando alguma configurações no emulador, consegui achar um setup que me agrade (no final preferi usar um shader de filtro do que fazer upscaling pelo emulador).

Se alguém souber outro setup que fique mais bonito aceito as dicas.

Uso Retroarch com shader CRT. Fica perfeito.
Caso esteja usando EPSXE, segue como configurar, está "meio feia" a tua imagem aí, está esticado o jogo parece.
http://jrpgheroes.boards.net/post/45050

Olha imagem do Eternal Blue, por exemplo:


No Retroarch, recomendo shader CRT Lottes, onde fica até a curvatura da TV CRT simulada.
 

topo

Habitué da casa
Mensagens
138
Reações
176
Pontos
63
Uso Retroarch com shader CRT. Fica perfeito.
Caso esteja usando EPSXE, segue como configurar, está "meio feia" a tua imagem aí, está esticado o jogo parece.
http://jrpgheroes.boards.net/post/45050

Olha imagem do Eternal Blue, por exemplo:


No Retroarch, recomendo shader CRT Lottes, onde fica até a curvatura da TV CRT simulada.
Era culpa do wide hack que tava testando, esqueci que tava com isso ligado.
Tou usando o retroarch beetle + scalefd hybrid (que tira o efeito pixelado) mas vou testar esses shaders que falasse.
 

extremepower

Ei mãe, 500 pontos!
Mensagens
25.740
Reações
32.221
Pontos
649
Comprei Undertale pro switch porque todo mundo falava que era foda, jogo pica das galáxias. Se arrependimento matasse...

Pior que gastei 60 reais nessa bosta. Tu full pistola comigo mesmo.
 
Topo